Autorizada desapropriação de 14 imóveis na Zona Portuária

Quadra da Unidos da Tijuca e ocupação de quilombo mudarão de lugar

Por O Dia

Rio - Com aval da presidenta Dilma Rousseff, em decreto divulgado nesta quarta-feira no Diário Oficial da União, 14 imóveis da Companhia Docas, na Zona Portuária, foram declarados como utilidade pública para desapropriação. Entre os terrenos, está a quadra da Unidos da Tijuca e uma ocupação de 56 famílias do Quilombo das Guerreiras, na Avenida Francisco Bicalho.

De acordo com o decreto, as desapropriações devem ser efetivadas em dois anos e meio, mas a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (Cdurp) pretende fazer as remoções a longo prazo.

“Não vamos desapropriar tudo de uma vez. Os terrenos ainda serão avaliados junto com Docas para vermos as prioridades. O que encontrarmos de ocupação familiar, daremos tratamento diferenciado”, explicou o presidente da Companhia, Alberto Silva. De imediato, os imóveis da Francisco Bicalho terão prioridades, pois darão lugar ao empreendimento da Trump Towers, de origem americana.

Tanto a Unidos da Tijuca quanto o Quilombo já sabiam, há mais de um ano, da intenção de desapropriação. A agremiação ainda não tem para onde ir. Segundo o presidente da escola, Fernando Horta, o prefeito se comprometeu a construir uma nova quadra mas até agora não apresentou nenhuma proposta oficialmente. No início do mês passado, Paes afirmou que abrigará a Tijuca nos arredores da Quinta da BoaVista.

“Gostaria de continuar na Zona Portuária. Acredito que depois do carnaval de 2014 iremos definir isso de uma vez com o prefeito”, declarou Horta, que paga R$ 7 mil de aluguel mensal à Docas pela quadra da Francisco Bicalho.

O Quilombo já tem terreno fechado,—serão 119 unidades habitacionais em quatro imóveis na Gamboa cedido pela Prefeitura e União—no entanto, as obras não começaram. O impasse é devido a liberação de verba do Minha Casa Minha Vida Entidades.

Os demais terrenos da lista de desapropriações funcionam como galpões. Um deles serve para armazenar sucata das escolas de samba.

Últimas de Rio De Janeiro