Internautas não concordam com exoneração de delegado de Copacabana

Resultado de enquete mostra que leitores acreditam que chefia de polícia errou ao afastar policial

Por O Dia

Rio - Apesar de ser exonerado do cargo de delegado titular da 12ª DP (Copacabana), José William de Medeiros, pode contar com o apoio da população. Na enquete feita pelo O DIA ONLINE, onde questionava se a decisão da chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, foi acertada, o resultado foi inesperado para ela. Dos mais de seis mil internautas que já votaram, mais de dois mil acreditam que a chefia de polícia errou.

O delegado saiu do cargo após denúncias de que na noite de Révellion em Copacabana pessoas desesperadas ficaram procurando seus documentos roubados espalhados no chão da delegacia. Na ocasião, uma vítima arrumou caixas de papelão e organizou os documentos das outras pessoas. Em nota, a chefia de polícia disse que o responsável pela distrital "não teve capacidade de gestão e gerenciamento".

Vítimas organizaram documentos e objetos em caixas no chão da delegaciaVania Cunha / Agência O Dia

Além da pesquisa via Internet, no bairro, a saída do delegado também é contestada. A comerciante Vera Afonso, de 66 anos, disse que sempre viu José William de Medeiros e a equipe trabalhando. "Ele é muito respeitoso. Todos chegavam cedo à delegacia para trabalhar", afirmou ela.

Questionada sob a saída, Martha Rocha, através da assessoria de imprensa se explicou por nota. Ela disse que conversou com o José William de Medeiros duas vezes no dia 31 de dezembro e falou que ele afirmou que tudo corria de forma satisfatória.

"Como responsável pela delegacia e gerenciador da equipe, a chefe de Polícia esperava que o delegado tivesse comparecido à unidade para acompanhar o andamento das ocorrências de perto", dizia a nota.

SINDELPOL PRESTA APOIO

O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado do Rio de Janeiro (Sindelpol-RJ) divulgou na semana passada uma nota de apoio ao delegado José William de Medeiros - afastado da 12ª DP por Martha Rocha, que alegou que o delegado não teve capacidade de gerenciamento durante o Revéillon.

O presidente do sindicato, o delegado Leonardo Affonso Dantas dos Santos, através de nota, disse que o problema não pode ser posto na falta de efetivo. "Que nem venha ser alegada falta de pessoal, pois tal fato ocorre justamente na semana em que foram empossados 135 novos Delegados de Polícia e 1200 novos inspetores, que foram distribuídos pelas unidades policiais através de critérios desconhecidos, desconsiderando-se até mesmo a mais que previsível necessidade de reforço no período festivo", ressaltou.

Além disso, Affonso afirmou que Martha Rocha com a exoneração do delegado tentou desviar o foco. "Todavia, mais uma vez quando o fato ganha a mídia, e no afã de dar uma rápida resposta política à opinião pública, apressa-se a Chefia de Polícia em desviar o foco da falta de gestão estratégica, jogando a responsabilidade dos seus erros para um único delegado de Polícia, que atuara com os parcos recursos que foram disponibilizados pela Administração Superior, destituindo-o do cargo e maculando o seu nome, em uma tentativa de mascarar a origem do problema", enfatizou Leonardo.

Últimas de Rio De Janeiro