Suspeito atropela seis pessoas durante perseguição policial em Caxias

Entre as vítimas estaria uma mulher grávida de cinco meses; Feridos estavam curtindo ensaio de rua da escola de samba Acadêmicos do Grande Rio

Por O Dia

Rio - Uma perseguição policial a um suposto criminoso terminou com uma morte e seis pessoas atropeladas, durante o ensaio de rua da Escola de Samba Acadêmicos do Grande Rio, em Duque de Caxias, no final da noite de domingo. O homem, que dirigia o carro roubado morreu após ser baleado com dois tiros. Ele, que ainda não foi identificado, chegou a ser levado para o Hospital Municipal Moacyr Rodrigues do Carmo, no município, mas não resistiu aos ferimentos. O caso foi registrado na 59ª DP (Duque de Caxias). O suspeito está no IML do município.

Os integrantes participavam do ensaio na Avenida Brigadeiro Lima e Silva, uma das principais vias de Caxias, quando foram surpreendidos pelo carro conduzido pelo homem que invadiu a área em alta velocidade, pela contramão e atingiu o público.

A vendedora de cervejas Severina Júlia Cezar%2C de 54 anos estava trabalhando com o filho no local quando foi atropeladaRicardo Ferreira / CBN

Segundo policiais do 15º BPM (Duque de Caxias), o veículo, um celta preto, placa KYK-7746, que estava com o suposto bandido, teria sido roubado por ele momentos antes no município.

Ainda de acordo com testemunhas, ele invadiu o local do ensaio já baleado e perdeu a direção do carro. Entre as vítimas estaria uma mulher grávida de cinco meses.

Segundo a prefeitura de Duque de Caxias, os quatro feridos que deram entrada no Hospital Municipal Dr. Moacyr Rodrigues do Carmo já foram liberados. A gestante Gracie Kelly de Oliveira, de 27 anos, foi atendida, disse que passava bem e foi embora. Rosimar Figueira Correira, 47, teve suspeita de fratura em uma das pernas,e Nelson de Oliveira Gusmão quebrou o punho. Já Severina Julia Cesar, 54, sofreu escoriações e alguns hematomas.

"Ele veio da Rua Voluntários da Pátria, esquina com a Avenida Brigadeiro Lima e Silva, e ao entrar na contramão, saiu levando tudo. Por sorte não houve mais vítimas", contou um comerciante do local que não quis se identificar.

A vendedora de cervejas Severina Júlia Cezar, de 54 anos, uma das feridas, disse que estava trabalhando com o filho no local e contou que tudo aconteceu de maneira muito rápida. "Só ouvi o barulho dos tiros um pouco antes do carro invadir a área e sair arrastando todo mundo", disse a mulher, com ferimentos no rosto e joelho direito, após ser atendida no Hospital Moacyr Rodrigues do Carmo.

Últimas de Rio De Janeiro