Centro terá primeiro trecho de rede de ciclovias no dia 16

Rota ligará o Largo da Carioca ao MAM e será aberta no dia do fechamento do Mergulhão

Por O Dia

Rio - É possível ir da Cinelândia à Central do Brasil em apenas dez minutos, sem precisar de transporte a motor. Basta montar em uma bicicleta e uma longa caminhada ou um bom tempo no trânsito serão economizados. Mas por que as pessoas não adotam essa prática? Segundo ciclistas, pela falta de ciclovias no Centro do Rio. Apesar de ser considerado a capital da bicicleta no país e dispor de 349 quilômetros de ciclovias, o Rio ainda prioriza o carro na região central da cidade.

>>> INFOGRÁFICO: Veja como serão distribuídas as ciclovias no Centro

A prefeitura promete que essa situação vai mudar em breve. No próximo dia 16 serão inaugurados os primeiros 3 quilômetros dos 50 de ciclovia que abastecerão o Centro até 2016. A medida, segundo o secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, tentará minimizar os impactos do fechamento do Mergulhão, que também será no dia 16: “É mais uma medida que tomamos, e que irá incentivar as pessoas a se locomover de bicicleta da Zona Sul ao Centro, via ciclovias e Aterro”.

Os trechos são do Museu de Arte Moderna (MAM) ao Largo da Carioca, pela ciclovia de 1,3 km que passará pelas avenidas Calógeras e Graça Aranha. Do MAM à Cinelândia haverá meio quilômetro de pista, com passagem pela Avenida Beira-Mar. E do MAM à Praça 15 mais 1,2 km, pela Rua Santa Luzia.

Ciclista passa em frente ao Passeio Público%2C entre carros e equipamentos usados nas mudanças viárias do Centro%3A ciclovias e ciclofaixas formarão uma malha de 50 kmEstefan Radovicz / Agência O Dia

O secretário municipal de Meio Ambiente, Altamirando Moraes, disse que para toda a malha cicloviária do Centro ficar pronta, é preciso que as obras do Porto Maravilha sejam concluídas. Muitas ruas que serão rotas ainda estão fechadas por conta das obras, e por isso, ele ainda não pode dar prazos de quando o Centro do Rio será ‘entregue’ às bikes. Na região do Porto, quatro quilômetros já estão prontos e ligam a Rodoviária ao Binário 2. “Temos um plano com o apoio do Transporte Ativo em que serão implantados 33km de ciclovias no Centro, além de 17 km na região do Porto”, informou o secretário.

Acesso mais fácil a barcas e metrô

Também no dia 16, serão inauguradas no Centro estações do projeto Bike Rio, onde bicicletas são alugadas. Serão 12 das 24 previstas, que se somarão com as da Cinelândia e Praça 15, já inauguradas. As estações ficarão nos seguintes locais: Rua Graça Aranha, Largo da Carioca, Avenida Nilo Peçanha, na Avenida Almirante Barroso, Fórum, Marechal Câmara, Praça Rui Barbosa, Paço Imperial, ABL, Aeroporto, MAM, Passeio Público e Praça Mauá.

O secretário de Meio Ambiente, Altamirando Moraes, garante que o objetivo é facilitar a vida dos cidadãos, que poderão pedalar até as estações das barcas e o metrô. No dia do lançamento da ciclovia, haverá uma pedalada com ativistas da causa do ciclismo. Eles querem o apoio do setor empresarial para facilitar o acesso de bicicletas aos escritórios. O objetivo é que as empresas tenham vestiários e locais para guardar as bicicletas.

Ciclistas ‘marginalizados’

Quem usa a famosa magrela ainda é marginalizado nas ruas do Centro. “É preciso ser ninja pra andar de bike no Centro. Mas se for incentivado, é a única maneira que irá desafogar o trânsito caótico do Rio”, avaliou o músico Alexandre Aguiar, morador da Glória. “Os carros não nos querem na rua, e os pedestres não nos querem na calçada”, disse o comerciante Thiago Assunção, que sempre usa a bicicleta para ir da Zona Sul para o Centro.

Últimas de Rio De Janeiro