Namoro violento causa males psicológicos

Vítima fica com autoestima baixa e pode ter depressão. Campanha da prefeitura estimula a gentileza

Por O Dia

Rio - Nada mais prazeroso do que ter alguém para trocar amor, carinho e compartilhar momentos felizes. Porém, não faltam casos de relacionamentos baseados em violência verbal ou física. Para discutir o problema entre adolescentes cariocas, a Secretaria Municipal de Saúde criou a campanha ‘Gentileza no Namoro’, que tem levado diferentes ações sobre o tema a escolas, unidades de saúde e universidades no mês de junho.

Depressão, alcoolismo, consumo de drogas, sexo sem proteção e até suicídio são algumas das consequências de relações conturbadas, segundo a coordenadora de Políticas e Ações Intersetoriais da Superintendência de Promoção da Saúde da secretaria, Viviane Castelo Branco.

Em casos de violência no namoro%2C parceiro impede a outra pessoa de tomar suas próprias decisõesIstock

“A falta de autoestima, o medo de não encontrar mais ninguém e a esperança de que a pessoa vai melhorar mantêm a vítima na relação”, explica.

Segundo ela, acreditar que o sentimento de posse é prova de amor e impedir a outra pessoa de tomar suas próprias decisões são sinais da violência no namoro.

No caso dos jovens, a especialista defende que os pais precisam ficar atentos ao namoro dos filhos. Se há brigas constantes e sofrimento, é preciso interferir, mas nunca com mais violência. “Conversar, dar apoio e carinho é o papel da família,” esclarece a coordenadora.

Luciana Cruz, de 44 anos, acreditava que após se casar as coisas mudariam. Ainda adolescente, conheceu o ex-marido e, ao longo de anos, abriu mão de trabalhos, amizades e até ficou doente. “Não tinha amor próprio. Achava que não teria outra relação”, conta a advogada, que é respeitada pelo atual companheiro.

Palestras e debates nas escolas do Rio

O problema é mais comum do que parece: nove entre dez adolescentes de capitais brasileiras sofrem ou praticam violência, segundo pesquisa do Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli (Claves), da Fundação Oswaldo Cruz. O estudo foi feito em 2013 com 3,2 mil jovens de 15 a 19 anos, de escolas públicas e privadas.

Na campanha ‘Gentileza no Namoro’, da prefeitura, são apresentadas palestras, performances teatrais e dinâmicas de ‘concordo ou discordo’ nas unidades de saúde e educação. O material busca desmistificar valores machistas, que ligam a identidade masculina à agressividade e à imposição de desejos. O campanha adotou como símbolo uma fita da cor verde e tem fotos e vídeos divulgados no Facebook (facebook.com/gentilezanonamoro).

Teste

Seu namorado(a) torna-se violento(a) sem motivo?

Ele ou ela perde o controle quando está com ciúmes, contrariado(a) ou zangado(a)?

Seu namorado(a) quer escolher seus amigos ou não lhe deixa tê-los?

Ele ou ela controla seus movimentos e quer saber onde e com quem está?

Ele ou ela faz você se sentir inseguro, com medo de expressar suas vontades e opiniões?

Seu (Sua) namorado(a) ignora suas necessidades e desejos e toma todas as decisões, dando ordens?

Ele ou ela lhe humilha ou ridiculariza em público?

Existe pressão para vocês transarem ou resistência ao uso de camisinha?

Há pressão para você consumir bebida alcoólica ou usar drogas?

Ele ou ela não aceita que você queira terminar?

Resultado

Se você disse ‘sim’ a 4 opções ou mais é sinal de que a relação não está bem. Converse com seu namorado(a) ou procure um profissional em posto de saúde.

Últimas de Rio De Janeiro