Corpo de empresária assassinada na Gávea será velado nesta sexta, no Caju

Maria Cristina Bittencourt Mascarenhas, morta durante um assalto, será cremado no Memorial do Carmo

Por O Dia

Rio - O velório da empresária Maria Cristina Bittencourt Mascarenhas, de 56 anos, é realizado a partir do meio-dia desta sexta-feira, no Memorial do Carmo, no Caju, na Região Portuária. Mais tarde, o corpo será cremado. Dona do restaurante Guimas, na Gávea, Tintim, como era conhecida, foi morta na tarde de quinta-feira, durante um assalto na Praça Santos Dumont, após ela sacar R$ 13 mil para o pagamento dos funcionários.

Tintim%2C como era conhecida a empresária Maria Cristina Bittencourt Mascarenhas%2C era casada com Chico MascarenhasErnesto Carriço / Agência O Dia

Os bandidos estavam em uma moto, com o piloto utilizando um capacete (vermelho) e o outro não. Outro carro estacionado na Praça Santos Dumont fazia a cobertura dos criminosos. Imagens de câmeras de prédios e restaurantes flagraram com nitidez a ação do bandidos e foram entregues à polícia. Segundo testemunhas, Maria Cristina conversava com uma vendedora, quando um homem saltou da moto. Ele deu uma gravata na empresária, que resistiu em entregar a bolsa. O bandido a agrediu e, em seguida, fez o disparo.

“Ele a agarrou, deu o tiro e foi embora com a bolsa. Tudo aconteceu em segundos”, contou, em estado de choque, uma testemunha. A ambulância de um quartel do Corpo de Bombeiro, que fica perto, chegou logo, mas ela já estava morta. No local, agentes recolheram um carregador de pistola. Os bandidos fugiram em direção ao bairro do Jardim Botânico. “Foi um crime covarde. Acreditamos que ela já estava sendo seguida desde o banco”, afirmou o delegado Rivaldo Barbosa, da Divisão de Homicídios. Informações sobre o caso podem ser repassadas ao Disque-Denúncia (2253-1177).

A polícia apura se os criminosos, que podem ser da Favela da Rocinha, em São Conrado, conheciam a rotina da vítima e receberam informações privilegiadas. Funcionários do Guimas, que fica a 150 metros do local do crime, e do banco serão convocados a prestar depoimento como colaboradores. Na hora do crime, agentes da 15ª DP (Gávea) almoçavam perto de onde Maria Cristina foi emboscada. “Chegamos o mais rápido possível”, disse o delegado Antônio Ricardo Nunes.

Clique na imagem para ver os últimos passos da empresáriaArte%3A O Dia

O assalto levou pânico a comerciantes e a moradores. “Ouvimos o tiro. Corremos, mas, quando vimos, ela já estava no chão. Os criminosos fugiram na contramão da Praça Santos Dumont. Fiquei com medo e assustada”, contou a dona do BG Bar, Zenir Martins de França, de 66. Ela acrescentou ainda que é comum as pessoas relatarem casos de assaltos praticados por homens usando motos na região.

Bandidos se escondem em árvores

Pouco depois do assalto que matou Maria Cristina Mascarenhas, a Polícia Militar reforçou o policiamento na Praça Santos Dumont. Moradores, no entanto, reclamaram da falta de segurança e afirmaram ser comum a ação de bandidos usando motos na região.

“Ficamos apavorados com os constantes assaltos por aqui. Agora, fiquei muito assustada porque morreu uma pessoa”, afirmou a psicóloga Valéria Figueiredo, de 64 anos, que mora há 20 anos na região. Para o aposentado José Silvio Faro, de 73, é preciso reforço constante de policiamento. “Não pode ser só quando acontece uma tragédia. Aqui tem muitas árvores, eles as usam como esconderijo”, revelou.

O delegado da 15ª DP (Gávea), Antônio Ricardo Nunes, disse que os índices de assaltos na região não são alarmantes.

Empresária perdeu pai em assalto

Apontada por conhecidos como dona de personalidade forte e de simpatia contagiante, Maria Cristina Bittencourt Mascarenhas se tornava simplesmente Tintim para quem conversasse com ela por cinco minutos.

Amigos destacam o alto astral da empresária, que era formada em Programação Visual e casada com o português Chico Mascarenhas há mais de 40 anos. “Ela era um amor. Daquelas pessoas que trabalham para caramba, sempre com um sorriso no rosto. Supergentil e carinhosa. Abraçava, beijava. Não tinha quem não gostasse dela”, conta o técnico em informática Eduardo Medeiros, de 63, que há mais de 50 era amigo do casal.

“Lembro que a Tintim e o Chico não tinham carro na época, e meu pai emprestava a Kombi vermelha e branca que tinha para que pudessem dar umas voltas. Batizamos a Kombi de ‘Filomena’, e me lembro que foi uma festa quando a Tintim ganhou uma Fiat esportiva dos pais”, completa.

No início do namoro, os amigos brincavam com Chico. Alertavam para que dormisse com os dois olhos abertos. Afinal, o sogro era fuzileiro naval. Há 33 anos, Tintim ganhou o amor eterno de Chico ao se casarem em Paris e, quatro anos depois, perdeu o pai, assassinado por assaltantes que tentaram roubar o Passat que dirigia, em Botafogo.

Nesta quinta, foram registradas centenas de mensagens de apoio à família de Tintim nas redes sociais na internet.

Simplicidade e aconchego refletidos no menu

Com suas dores e delícias, o Rio é uma cidade criadora de estabelecimentos que atravessam as décadas incorporando seu espírito único. O Guimas é assim, a casa que nasceu de um encontro de amigos e vive para reuni-los em permanente clima de confraternização, na ala ‘chique’ do Baixo Gávea.

Charmoso%2C o bistrô de alma carioca foi inaugurado em 1981 na GáveaErnesto Carriço / Agência O Dia

Chico Mascarenhas e Tintim criaram com Ricardo e Priscilla Guimarães um bistrô de estilo francês e alma carioca (o nome Guimas é a fusão das iniciais dos sobrenomes Guimarães e Mascarenhas) — até hoje único na simplicidade caprichada do cardápio e no aconchego resumidos no Filé do Chico, preparado desde a inauguração, em 1981, ao molho de vinho, cogumelos e creme de leite, com arroz e batata palha.

Poemas, letras de música e desenhos de grandes artistas e pensadores da cidade já foram rabiscados nas toalhas de papel com o giz de cera que se tornou marca registrada, tanto quanto os deliciosos pastéis de queijo brie. Millôr e Angelo de Aquino estão entre os imortalizados em quadros na parede.

Tintim era considerada por uma legião de amigos e admiradores uma mulher inteligente e espirituosa, digna das melhores qualidades que o Rio tem a oferecer. Infelizmente, a face abominável da cidade se pronunciou. Perdemos todos.

Colaborou Paulo Cappelli e Pedro Landim

Últimas de Rio De Janeiro