Ambulância que transferia PM baleado no Alemão capota na Penha

Quatro policiais militares ficaram feridos em confrontos no Complexo do Alemão nesta segunda-feira

Por O Dia

Rio - Uma ambulância da UTI Móvel que transportava um dos quatro PMs baleados na Favela Nova Brasília, no Complexo do Alemão, na noite de segunda-feira, se envolveu em um acidente e capotou no cruzamento das ruas Quito e Conde de Agrolongo, na Penha, Zona Norte, no início da madrugada desta terça. Segundo o médico José Henrique Dias da Silva, o soldado Deivid Ximenes Rodrigues, de 30 anos, baleado no peito em confronto com traficantes, nada sofreu e seu estado de saúde não se agravou.

O profissional de saúde, porém, que estava no veículo, sofreu uma luxação no joelho. Um jovem de 20 anos e a filha dele, de três, que estavam no outro carro, sofreram ferimentos leves.

A ambulância que levava um PM baleado durante confronto no Complexo do Alemão capotou a caminho do Hospital Central da Polícia Militar, no EstácioOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Com os quatro novos casos, já chega a 272 o número de PMs baleados em 2014. Levantamento do DIA publicado na edição de segunda-feira aponta que 74 policiais militares lotados em UPPs foram feridos por criminosos durante confrontos ocorridos enquanto os militares estavam de serviço. A maioria é de soldados, e os ataques ocorreram quando estavam em patrulhamento por ruas e vielas de comunidades ocupadas. Oito PMs foram mortos em serviço nessas áreas até o dia 1º de dezembro

O primeiro PM foi baleado em confronto por volta das 18h na Nova Brasília. O sargento Hércules Barbosa foi ferido por estilhaços na perna. A equipe da UPP Nova Brasília que ele integrava patrulhava a região quando surpreendeu um grupo de criminosos armados. Houve confronto e o policial foi baleado. Jailson Pastro Pereira da Silva acabou preso. Ele estava com uma mochila com drogas e uma bomba de fabricação artesanal.

Levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, o sargento foi medicado e liberado. Cerca de quatro horas depois, os soldados Ximenes, Max Silva e Daniel de Oliveira Baltar acabaram feridos em novo tiroteio entre PMs e bandidos, na localidade conhecida como Largo da Vivi. Os três policiais foram socorridos na unidade de saúde. Max Silva foi baleado após um tiro de fuzil calibre 7.62 acertar uma parede e ricochetear. Ele levou pontos na cabeça e foi liberado. Já o PM Baltar, atingido na perna e no rosto, passou por cirurgia e permanece internado em estado estável.

Baleado no tórax, o soldado Ximenes deu entrada no hospital em estado grave. Após ter o quadro clínico estabilizado, ele estava sendo transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio. De acordo com o médico José Henrique Dias da Silva, dez minutos após deixar o Getúlio Vargas, a ambulância foi atingida em cheio no cruzamento por um Renault Logan prata. O veículo capotou, parando no meio-fio em frente ao edifício número 1.034 da Rua Conde de Agrolongo. Ele disse que a sirene estava ligada e o motorista seguia em velocidade moderada.

"Nossa primeira preocupação era saber se o policial estava bem e retirá-lo do veículo. Com o impacto a maca ficou presa. Ele estava consciente e sua situação clínica estabilizada. A ambulância da PM chegou 15 minutos depois e seguiu levando o paciente para o HCPM", descreveu o médico.

Moradores ajudam na retirada dos feridos

No veículo além dele, do motorista e do paciente, estavam também a mulher do PM e um enfermeiro. Eles não ficaram feridos no acidente. Moradores da região foram os primeiros a ajudar a retirar os acidentados dos veículos.

"Estava na varanda de casa e ouvi o som de sirene e depois o estrondo da batida. Quando cheguei no local, a ambulância estava tombada e a sirene desligada. Os moradores se aglomeraram para prestar socorro e preocupados com o estado de saúde do paciente que estava na ambulância", contou o estudante Luan Alves dos Santos, 24, morador da Rua Quito, e um dos primeiros a chegar ao local após a batida.

O pai do motorista do Renault, que preferiu não se identificar, disse que o filho contou que no sinal estava aberto para ele no momento do acidente. No banco de trás do veículo estavam o neto dele, de três anos, e a namorada do rapaz, de 18. O jovem sofreu cortes nos braços e a criança no rosto. Eles também foram medicados no Getúlio Vargas.

Durante a noite e a madrugada, o policiamento foi reforçado na região do Complexo do Alemão por policiais de UPPs de outras unidades e por PMs do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). O acidente e os tiroteios com vítimas foram registrados na 22ª DP (Penha). Uma perícia foi realizada no cruzamento onde a ambulância foi atingida.

Últimas de Rio De Janeiro