Subtenentes da PM são baleados em Nilópolis e em Mesquita

Um deles foi ferido em ataque de ocupantes de um carro e outro na comunidade da Chatuba. Ambos são do 20º BPM (Mesquita)

Por O Dia

Rio - Dois subtenentes lotados no 20º BPM (Mesquita) foram baleados em serviço na noite desta segunda-feira, em Nilópolis e em Mesquita, municípios vizinhos na Baixada Fluminense. No bairro de Olinda, PMs em patrulhamento foram atacadas a tiros por ocupantes de um Logan de cor prata, na Avenida dos Expedicionários, por volta das 22h. O veículo dos criminosos trafegava pela contramão.

No ataque, o subtenente Ivan foi ferido por estilhaços no rosto. Ele foi atendido inicialmente na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cambuis e depois transferido para o Hospital Central da corporação (HCPM), no Estácio, na Zona Norte. De acordo com o batalhão, o PM se aposentaria no próximo plantão, na quinta-feira.

Cerca de 40 minutos depois do ataque em Olinda, policiais do 20º BPM trocaram tiros com criminosos na comunidade da Chatuba, em Mesquita. Os PMs tinham ido ao local checar uma denúncia de que dois jovens teriam sido sequestrados e seriam executados por traficantes. O subtenente Oliveira foi baleado na mão e no braço. Atendido no Hospital da Posse, em Nova Iguaçu, ele também foi transferido para o HCPM. Os bandidos fugiram em direção a Mata do Governo. A denúncia não foi constatada.

Ainda segundo o batalhão, ambos já receberam alta. O primeiro caso está sendo registrado na 57ª DP (Nilópolis) e o segundo na 53ª DP (Mesquita).

Soldado morto em Niterói

Informações privilegiadas sobre um depósito de R$ 8 mil podem ter sido fundamentais para quatro bandidos de moto — armados com pistolas — emboscarem, na tarde desta segunda-feira, o soldado PM Douglas Leonardo Alencar Ribeiro, de 30 anos, no bairro do Fonseca, em Niterói. Segurança de um posto de gasolina, o militar chegava com o dinheiro em uma moto numa agência do banco Itaú, quando foi cercado pelos criminosos. Ao reagir, foi atingido por cinco tiros.

Houve pânico e correria na agência, que foi fechada. Um Corsa prata estacionado próximo ao local ficou com duas marcas de bala. A quadrilha fugiu levando a pistola da vítima e a moto, abandonada depois que o dinheiro foi recolhido da caçamba, na Alameda São Boaventura. Agentes da Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí buscam imagens captadas por câmeras de segurança para identificar o bando.

“Foi um latrocínio (roubo seguido de morte), crime patrimonial. Acreditamos que o grupo possa ter recebido informações privilegiadas”, declarou o delegado Tiago Dorigo, responsável pelas investigações. Testemunhas contaram que assim que o militar estacionou a moto, os bandidos anunciaram o assalto. Ele tentou sacar a pistola, mas foi logo ferido. A mãe do policial, que trabalha como manicure perto do local, ainda viu o filho caído. Segundo amigos, ela não queria que ele entrasse para a PM.

A polícia investiga se parte do bando que matou o policial foi responsável pelo assalto a posto de gasolina ao lado do banco, por volta das 5h de ontem. Foram levados R$ 140 e radiotransmissor. O corpo do militar está previsto para ser liberado do Instituto Médico-Legal de Niterói na manhã desta terça. Nesta segunda, parentes que estavam no órgão não quiseram falar sobre o crime. Há cinco anos na PM, o soldado era lotado no 12º BPM (Niterói). “Acreditamos no trabalho da polícia”, afirmou o comandante da unidade, tenente-coronel Gilson Chagas. Segundo o oficial, o soldado PM Ivo Leandro Zanu, de 34, encontrado morto com tiro na cabeça em Maricá, domingo, foi sepultado ontem à tarde em Itaboraí.

Últimas de Rio De Janeiro