Pezão volta a defender punição mais severa para quem mata policiais

Governador disse ainda que melhora na capacitação dos PMs pode evitar mortes; neste fim de semana, mais três PMs morreram na Região Metropolitana

Por O Dia

Rio - O governador Luiz Fernando Pezão voltou a criticar a violência contra policiais e a defender leis mais severas para quem comete esses crimes nesta segunda-feira. Neste fim de semana, mais três PMs morreram na Região Metropolitana do Rio, subindo para 16 o número de mortes de militares só neste ano. 

Região Metropolitana registrou mais três mortes de PMs no fim de semana"Isso (combate à violência contra policiais) é uma luta permanente. Tenho me reunido de duas a três vezes por semana com o secretário Beltrame e o chefe da Polícia Civil, Fernando Velozo, e com o comandante da PM, Alberto Pinheiro Neto. Desde abril tenho defendido as leis mais severas para quem comete esses crimes. Tenho trabalhado permanentemente nisso", declarou o governador, durante o lançamento da campanha 'Justiça pela Paz em Casa' no Tribunal de Justiça do Rio (TJ). Ele afirmou ainda que a melhora na capacitação dos policiais pode evitar mortes. 

O governador Luiz Fernando Pezão e outras autoridades durante inauguração da CIPP no bairro do GrajaúSeverino Silva / Agência O Dia

"Estamos acompanhando casos. Muitos desses policiais estão sendo mortos em serviços. É para terem mais cautela e cuidado. Estamos capacitando melhor e fazendo um grande trabalho de treinamento dentro das UPPs. Toda forma de violência é muito triste. Cada pedaço de uma pessoa que se perde na violência, tanto do policial que às vezes erra quanto um morador do Rio", disse Pezão. 

No final da noite deste domingo, subiu para três o número de policiais militares mortos na Região Metropolitana do Rio, no fim de semana. Lotado no 39º BPM (Belford Roxo), Diego Moutinho da Silva Maia, de 29 anos, foi baleado em um bar, em Mesquita, na Baixada Fluminense. Quatro homens armados chegaram e abordaram o PM, que bebia com amigos no local. O tiro acertou a cabeça do militar. Ele chegou a ser socorrido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ricardo de Albuquerque, mas não resistiu aos ferimentos.

Além deles, outros dois policiais militares foram mortos e mais cinco ficaram feridos, em serviço, entre sábado e domingo, elevando para 56 o número de policiais baleados neste ano e para 16 o número de mortes de militares.

Campanha lançada no TJ combate crimes cometidos contra a mulher

Os crimes cometidos contra a mulher terão ainda mais prioridade no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro nesta semana (entre esta segunda-feira e dia 13). A campanha 'Justiça pela Paz em Casa' tem uma série de iniciativas para mobilizar e conscientizar a sociedade sobre a gravidade da violência doméstica.

Magistrados fluminenses que atuam nos 11 Juizados Especiais de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher em todo o Estado (cinco deles na capital) irão priorizar a realização de audiências de instrução e julgamento, assim como os Tribunais de Júri, que vão intensificar a realização de julgamentos.

No evento, foi formalizado um protocolo de intenções envolvendo o TJ, o Ministério Público, a Defensoria Pública e a Polícia Civil para institucionalizar o Projeto Violeta – iniciativa do Tribunal de Justiça que reduz de quatro dias – como determina a Lei Maria da Penha – para apenas quatro horas a decisão de medidas protetivas de urgência para vítimas de violência.


Últimas de Rio De Janeiro