Bando faz blitz nos acessos ao Juramento

Escolas não abriram e tiros causaram pânico

Por O Dia

Rio - Depois de uma manhã de enfrentamentos entre PMs e bandidos, no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, homens armados montaram blitz nas entradas da comunidade à noite. “Armados, param os carros, revistam e fazem perguntas aos motoristas”, contou um morador assustado. As revistas são feitas em vários acessos à comunidade há três dias.

Na segunda-feira, um comparsa do traficante Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy — morto sábado — morreu na favela em confronto com a PM. De acordo com os moradores, bandidos tentaram incendiar ônibus no fim da tarde. Pela manhã, houve relatos de pânico em redes sociais devido a intenso tiroteio. Passageiros do metrô, na estação em frente à favela, procuraram abrigo, temendo balas perdidas. Alguns comerciantes também não abriram as portas. No Twitter, um morador deu o recado: “Evitem a região do Juramento, muito tiro, parece guerra! Deus nos ajude!”

De acordo com a Secretaria municipal de Educação, 789 alunos ficaram sem aulas nesta terça-feira, mas o conteúdo será reposto.As escolas particulares também não funcionaram na região. A PM conta com reforço do Bope nas incursões do 41º BPM (Irajá) e informou que a operação não tem prazo para acabar.

Últimas de Rio De Janeiro