Falta d'água pode chegar a 31 bairros

Cedae diz que problema foi causado por obra irregular sobre tubulação, em Guadalupe

Por O Dia

Rio - O reparo de um vazamento em tubulação de água na comunidade do Muquiço, em Guadalupe, na Zona Norte, interrompeu o fornecimento ontem para parte de 31 bairros do Rio.

De acordo com a Cedae, o problema aconteceu porque imóveis irregulares foram construídos em cima da tubulação no cruzamento da Rua do Encanamento com Sete de Outubro. O conserto começou na quinta-feira e deve terminar hoje, pela manhã.

Ainda segundo a companhia, a tubulação será colocada em carga imediatamente após o serviço, e o abastecimento deve se normalizar ao longo do dia. Entretanto, em alguns pontos, como ruas mais elevadas, pode levar até 48 horas para o fornecimento ser restabelecido completamente. A Cedae pede que consumidores economizem água e ressalta: “Moradores com sistema de reserva (caixa d’água e/ou cisterna) não devem ficar desabastecidos”.

A aposentada Ana Presta encheu baldes para “não passar sufoco” caso o fornecimento não volte hojeAlexandre Brum / Agência O Dia

Os bairros afetados foram Vila Kennedy, Deodoro, Guadalupe, Bento Ribeiro, Marechal Hermes, Oswaldo Cruz, Honório Gurgel, Rocha Miranda, Colégio, Vicente de Carvalho, Vila Cosmos, Brás de Pina, Tomás Coelho, Higienópolis, Del Castilho, Inhaúma, Méier, Eng. Novo, Caju, Sampaio, Bonsucesso, São Francisco Xavier, Manguinhos, Benfica, Ilha do Governador e Centro do Rio. Bairros da Zona Sul, como Flamengo, Botafogo, Cosme Velho, Catete e Laranjeira, também tiveram problemas.

Apreensivos e temendo a falta de abastecimento, muitos moradores da Zona Norte armazenaram água em galões. “Ainda tenho água na cisterna. É pouca, mas se não economizar terei que comprar água em carro pipa. O jeito é encher os baldes para não passar sufoco”, comentou a aposentada Ana Presta, de 76 anos, moradora do Sampaio.

O taxista Emerson Gama, 38, no entanto, não deixou de lavar o carro, mesmo sabendo que poderia faltar água. “Não queria correr o risco de deixar o carro sujo.”

Lava jatos continuam a trabalhar

A Secretaria Municipal de Urbanismo informou que na comunidade do Muquiço há diversas construções irregulares, de um e dois pavimentos na sua maioria, executadas sobre a adutora da Cedae, perto de um conjunto residencial, no bairro de Deodoro.

Ainda segundo a secretaria, constam diversos processos de notificação em andamento no órgão referentes a obras irregulares nessa área. “Contudo, a desocupação da área depende de uma possível ação de reintegração de posse do proprietário, considerando a titularidade e responsabilidade da área”, diz a nota.

Nas ruas da Zona Norte, lava a jatos, temendo prejuízo, não pararam o serviço. Num posto de combustível da Rua 24 de Maio, no Engenho Novo, o lavador de carro Jeferson de Souza Reis, de 23 anos, armazenou três galões de 100 litros cada para trabalhar durante o dia.

“Soube só no meio do expediente que poderia faltar água. Dei uma economizada, mas não deixei de trabalhar. Foram 12 carros lavados em menos de duas horas. Não posso ficar no prejuízo”, contou.

Últimas de Rio De Janeiro