Crise: Estado não garante pagamento dos servidores amanhã

Será o terceiro mês consecutivo que os funcionários reclamam da dificuldade de receber o salário na data estabelecida

Por O Dia

Rio - A Secretaria Estadual da Fazenda informou que não garante o pagamento dos servidores que está previsto para esta quarta-feira, dia 9. Segundo a assessoria, o órgão está se esforçando para garantir o pagamento dos servidores ativos, inativos e pensionistas na data estipulada. O valor da folha de pagamento é de cerca de R$ 1,8 bilhão.

Desde o fim do ano passado, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, fez várias mudanças no calendário dos servidores para que o pagamento possa ser efetuado. O novo prazo é até o sétimo dia útil de cada mês. Será o terceiro mês consecutivo que os funcionários reclamam da dificuldade de receber o salário da na data estabelecida. 

Crise causa greves

O governo Pezão vem enfrentando uma série de greves por conta da crise no estado. O atraso nos salários, a mudança no calendário dos pagamentos e o parcelamento da segunda parcela do décimo terceiro, além dos pedidos de reajustes salarias e melhores condições de trabalho, são as reivindicações dos grevistas.

Nesta segunda-feira, funcionários e alunos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) realizaram um protesto no primeiro dia de paralisação da instituição, votada em assembleia na semana passada.

LEIA MAIS

Pezão desiste de aumentar contribuição previdenciária de servidores

Funcionários e alunos fazem protesto no primeiro dia de greve na Uerj

Professores estaduais decretam greve e fazem manifestação no Centro do Rio

Em greve%2C os professores e funcionários da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) fizeram protesto. Eles pedem reajuste salarial e melhores condições de trabalhoDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

A instituição emitiu uma nota hoje e disse apoiar o movimento grevista por não ter recebido parte da verba para honrar com o pagamento de tercerizados e bolsistas. Os grevistas acusam o governo de descaso e reivindicam melhorias no que chamam de "sucateamento da universidade".

No último dia 20, em assembleia geral realizada no Clube Municipal, na Tijuca, profissionais de educação das escolas estaduais decidiram entrar em greve por tempo indeterminado. De acordo com o Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ), a decisão de paralisar as atividades foi tomada devido às últimas manobras do governo estadual, que, além dos atrasos e parcelamentos nos vencimentos, mudou o calendário de pagamentos para o sétimo dia útil e enviou à Alerj projeto que prevê mudanças no sistema previdenciário do funcionalismo estadual.

Conforme adiantou nesta terça-feira o Informe do Dia, o projeto que previa o aumento no desconto da previdência dos servidores, além de impedir a concessão de reajustes salariais nos próximos anos, foi retirado da Alerj por Pezão.

Últimas de Rio De Janeiro