Após forte calor e recorde, temperaturas entram em declínio nesta quarta-feira

Passagem da frente fria deixa o céu nublado, mas sem chuva e temperatura média de 26ºC. Máxima deve ser de 30ºC

Por O Dia

Rio - Após o forte calor dos últimos dias, com o dia mais quente nesta terça-feira (41,3º, de acordo com o Alerta Rio), a passagem de uma frente fria sobre o Rio deve fazer a temperatura cair bruscamente durante esta quarta-feira. A máxima não deve passar dos 30 graus.

A passagem da frente fria deixou o tempo com céu nublado pela manhã, mas sem chuva e temperatura média de 26ºC. Durante o dia a cidade do Rio será influenciada pela chegada de ventos úmidos vindos do oceano, o que provocará mais nebulosidade.

Os ventos devem variar entre fracos e moderados. De acordo com o Climatempo, há previsão de ventos fortes até o final da noite desta quarta-feira. Apenas nas regiões Serrana e de Macaé devem haver pancadas de chuva rápidas.

Temperatura passa dos 40 graus com sensação térmica de 50

Parecia um dia de verão, mas a estação só começa em 21 de dezembro. Os cariocas tiveram que lidar nesta terça-feira com o dia mais quente de 2013: em Guaratiba, os termômetros chegaram aos 41,8°, e a sensação térmica atingiu os 50°, de acordo com o Centro de Operações da Prefeitura. Alguns ônibus do BRT chegaram a parar por superaquecimento. Choveu forte no fim da tarde, e a cidade entrou em estágio de atenção às 19h, segundo o Alerta Rio. Em alguns bairros da Zona Norte, como Irajá, Penha e Olaria, a precipitação foi de granizo.

Termômetro registra 43ºC no Centro esta terça-feiraMárcio Mercante / Agência O Dia

O futuro reserva cenário alarmante: a temperatura do planeta aumentará 3,6°C a longo prazo, se os países mantiverem seus modelos de desenvolvimento. O alerta foi feito ontem pela Agência Internacional de Energia.

Massa de ar

O forte calor registrado ontem é resultado de massa de ar quente, que desde o fim de semana vem ganhando força. “Ao mesmo tempo, uma frente fria se aproxima, causando a elevação extrema da temperatura”, explica Marcelo Pinheiro, meteorologista do Climatempo. A temperatura fica amena até sexta e sobe no fim de semana.

Enquanto poucos sortudos puderam ontem curtir lindo dia de praia na orla, a maioria dos cariocas ‘suou’ no batente. No Centro, onde os termômetros marcaram 44°C às 15h, era comum ver pessoas com garrafas d’água e toalhas à procura de sombra. Quem não pode usar roupa mais leve sofreu mais ainda. “A profissão exige o terno. Em dias como esse, acho que a minha temperatura passa dos 40°”, lamentou o advogado Joaquim Pedro Medeiros, 31.

Dias quentes assim são ainda mais difíceis para quem precisa usar o transporte público. Também no Centro, a aposentada Roseli Soares, 59, esperou mais de uma hora pelo ônibus que a levaria para Belford Roxo. “Num calor desses, o estresse aumenta. E o ônibus deve vir lotado, sem ar-condicionado”, lamentou.

Houve quem comemorasse o dia de ‘Rio 40°’, como o ambulante Josenilton da Silva. “Geralmente, vendo 60 garrafas de água o dia todo. São 15h e já vendi quase 100. E não aumentei preço”, garantiu.

Cariocas aproveitaram dia ensolarado para ir a praiaLeitora Priscilla Bruno

?Sensação de 52º dentro do metrô

Água, toalha de rosto e o que houvesse por perto para se abanar foram armas importantes para combater o calor na Linha 2 do Metrô, enquanto diversos trens circulavam sem refrigeração. Dentro de um carro que seguia da estação Botafogo para Pavuna, às 16h, o termômetro do DIA chegou a marcar 34.3°C, com 79% de umidade no ar. Nestas condições, segundo o Meteorologista Marcelo Pinheiro, do Climatempo, “a sensação térmica é de 52°C”.

Em nota, o MetrôRio afirmou que “todas as composições com problema de ar-condicionado foram identificadas pela vistoria permanente, encaminhadas às áreas de manutenção e imediatamente substituídas por trens da reserva.

Porém, segundo passageiros, o desconforto é diário. “Ando com leque e garrafa d’água na bolsa. Quanto mais perto da Zona Norte, mais quente é o trem”, afirma a office boy Elinete Maria Ricardo, 47. “Já peguei vagão sem luz e operando só na ventilação”, complementou a dona de casa Solange da Silva, 50.

Sufoco também nos ônibus, trens e barcas

?Não foram só os passageiros do metrô que sofreram com o calor. Só 18% da frota de ônibus da cidade têm ar-condicionado. Em nota, a RioÔnibus (associação das empresas) informou que há expectativa de renovação por veículos com ar até 2016, mas ressaltou que a mudança ocorre gradativamente e que a redução da tarifa tornou o processo “mais lento”.
Nas barcas de Niterói para o Rio, a situação não é diferente. Passageiros reclamavam no Twitter do calor dentro das embarcações da Linha Praça 15-Arariboia. A CCR informou que a primeira barca desta linha com ar só deve chegar no segundo semestre de 2014 e que a prioridade é climatizar as estações. Nos trens, além do calor nas composições sem ar, ainda houve atrasos pela manhã, devido a pane, e à noite, devido às chuvas. A SuperVia prevê que só terá 100% da frota refrigerada em 2016.

Calor em excesso pode até levar à morte

?O calor excessivo pode levar à morte. O médico Luiz Alexandre Essinger, diretor do Hospital Municipal Miguel Couto, alerta que a pessoa pode ter uma intermação. “A temperatura do corpo aumenta, a respiração fica fraca e o coração dispara. Os rins podem parar e a vítima pode desmaiar, ter convulsão e morrer”, diz.

Segundo ele, três pessoas deram entrada ontem no Miguel Couto com estes sintomas. “Crianças, idosos e atletas precisam ter mais cuidados”, pondera. Para ele, o calor é um risco alto nos transportes públicos sem climatização: “Ar-condicionado em ônibus e metrô não é luxo, é questão de saúde”.

As altas temperaturas deixam as pessoas mais estressadas. “É uma resposta do corpo ao mal funcionamento do cérebro. Ficamos mais confusos”, diz o médico. “Para evitar problemas, é preciso beber muito líquido, usar roupas leves e procurar locais arejados”, ensina.

Últimas de _legado_O Dia 24 Horas