Defeito em elevador para cadeirantes deixa passageiros de ônibus a pé

Problema em equipamento de acessibilidade atrasou viagem da linha 639. Consórcio pode sofrer sanções, diz secretaria

Por O Dia

Após defeito em elevador%2C passageiros precisaram de ajuda do motorista para desembarcarTiago Frederico / Agência O Dia

Rio - De Caprichosa, a viação do Consórcio Internorte só tem o nome. Na tarde desta segunda-feira, um ônibus da empresa, que faz a linha 639 (Praça Saens Peña - Jardim América) deixou passageiros a pé, após o coletivo apresentador um defeito no elevador quando seguia para o subúrbio do Rio. O motorista até tentou, em vão, fazer o equipamento voltar a funcionar, mas, sem sucesso, teve que fazer o transbordo de passageiros em Vila Isabel.

O defeito no equipamento ocorreu após um cadeirante utilizá-lo. Ao invés de voltar para o lugar de origem, o elevador emperrou no meio do caminho, assim como o degrau da escada do coletivo, que também agarrou. Uma distância de quase um metro de altura separava o chão do Boulevard 28 de Setembro do piso do ônibus.

Segurando na mão do motorista, idosos, senhoras e crianças desembarcaram e aguardaram por outros coletivos. O ônibus estava completamente lotado, como é de costume para o horário, por volta das 16h. Outros coletivos da mesma linha também passaram abarrotados pelo local e foram, pouco a pouco, levando os passageiros do ônibus que apresentou o problema. A espera no ponto próximo ao Vila Shopping foi longa.

"Isso é um absurdo. Esse ônibus tem ar-condicionado, é novo", exclamou, revoltada uma passageira, enquanto aguardava por outro coletivo. "O elevador travou porque não há manutenção. Se eles fizessem a manutenção certa, isso não aconteceria", disparou outro passageiro.

Procurada, a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) disse que a denúncia de O DIA será checada e apurada, "respeitando o direito ao contraditório". Em nota, afirmou que "se ficar constatado que, de fato, a denúncia procede, o consórcio pode sofrer sanções", porém não detalhou quais seriam as penalidades.

Ainda de acordo com a SMTR, o coletivo de placa LMC-8377 e número B27184 está em dia com a vistoria da secretaria, tendo sido a última realizada em 23 de outubro do último ano. "A linha não consta entre as 100 do ranking negativo da SMTR por nível de serviço", declarou.

Distância entre piso de ônibus e chão de rua era de quase um metroTiago Frederico / Agência O Dia

A Secretaria Municipal de Transportes disse também, que desde 2010, foram aplicadas 330 multas aos consórcios por inoperância ou mau funcionamento do dispositivo de acessibilidade, infração gravíssima de acordo com o Código Disciplinar dos Ônibus, com multa no valor R$ 1.410,00. A secretaria lembrou que, na frota urbana carioca, 65% dos ônibus são novos ou seminovos e contam com equipamentos de acessibilidade. A secretaria alegou que os demais 35% já estão adaptados para acessibilidade, oferecendo equipamentos exigidos.

O Consórcio Internorte, em nome da Viação Caprichosa, limitou-se a dizer que o veículo retornou à garagem, após ser constatado o defeito, para que o coletivo recebesse reparos necessários. Em nota, disse que a empresa "segue o procedimento de sempre encaminhar os ônibus para a oficina assim que falhas como esta do elevador são sinalizadas, garantindo que o dano não impactará em outras viagens e na segurança dos passageiros".

Sobre os treinamento dos motoristas, disse que todos são treinados para manuseio do elevador. "São realizadas palestras e aulas já nos primeiros momentos do rodoviário na empresa. Além disso, os condutores passam por treinamentos específicos como No Ponto Certo, Motorista Cidadão e Rodoviário Carioca em Ação, visando o aperfeiçoamento da relação dos motoristas com os usuários", disse.

Coletivo da Viação Caprichosa%2C do Consórcio Internorte%2C não completa viagem e deixa passageiros a pé%2C após problema em elevadorTiago Frederico / Agência O Dia


Últimas de _legado_O Dia 24 Horas