Novo hospital para cuidar do coração será construído em Queimados

Planejada há mais de 20 anos, obra será retomada e deve ser entregue em 2016

Por O Dia

Rio - A Baixada Fluminense vai ganhar um hospital novinho em folha para cuidar do coração. Após 24 anos de espera, o famoso ‘esqueleto’ — que foi demolido — finalmente vai se transformar no Hospital Estadual de Cardiologia, que atenderá em Queimados cerca de três milhões de moradores da Região Metropolitana. No dia 30, a União e o governo do estado lançaram edital de licitação para a construção. O prédio, de seis andares (veja ilustração ao lado), será erguido num terreno na Vila Pacaembu. O investimento previsto é de R$ 61,3 milhões e o prazo de entrega, até 2016.

A construção do hospital foi planejada em 1990, quando uma estrutura foi erguida. Mas as obras pararam por causa da suspeita de superfaturamento e irregularidades.

Em 2007, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em visita a Queimados, assinou, com as prefeituras da região, convênio para liberar verbas para construir o hospital e fazer novos postos de atendimento básico na Baixada. No ano seguinte, as obras começaram, mas foram interrompidas novamente porque o projeto precisava ser reformulado. Em 2010, foi inaugurado o Centro Especializado no Tratamento de Hipertensão e Diabetes (CETHID), com capacidade para atender 1,3 mil por dia. Em 2013, o prédio foi demolido.

A Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio concluiu que seria mais econômico demolir que aproveitar a estrutura, que havia sido condenada em laudo técnico. Foi firmado um convênio entre a União e o governo do estado para o repasse de verbas para, enfim, iniciar obras do novo hospital.

Construção foi interrompida por irregularidades%2C e a estrutura demolida após ser condenada em laudo técnicoDivulgação

Unidade terá 147 vagas em leitos e UTI

O hospital de Queimados terá 108 leitos de internação e 39 de UTI, sete salas cirúrgicas, 56 enfermarias, salas de ecocardiograma, ultrassom, tomografia, ressonância magnética, medicina nuclear e fisioterapia. No projeto de 1.990, a previsão era de 276 leitos, com 600 mil atendimentos e 25 mil internações por ano para pacientes de todas as cidades da Baixada e da Região Metropolitana.

Licitação será 4 de agosto

O pregão da licitação está marcado para 4 de agosto, no Centro do Rio. “Vamos torcer para que dê tudo certo e se inicie a obra que vai levar melhorias não só a Queimados, mas e a todos os municípios vizinhos. Firmamos parcerias para que o projeto se conclua de uma vez só”, disse Max Lemos, prefeito de Queimados.

O objetivo dos governos federal e municipal é que o Hospital de Cardiologia atenda moradores de Queimados e de cidades vizinhas. De acordo com o projeto inicial, uma das metas é desafogar o Hospital Federal de Nova Iguaçu, o Hospital da Posse, hoje sobrecarregado.

Últimas de _legado_O Dia na Baixada