Campos substitui materiais tóxicos e quer entrar para o Guiness Book

A empreitada na confecção de tapetes para celebrar Corpus Christi mobilizou mais de 650 fiéis de 12 paróquias

Por O Dia

Rio - No lugar do sal grosso, que ia para o lixão e poluía o lençol freático, 60 toneladas de dolomita, um mineral muito comum na natureza, rico em cálcio e magnésio. Em vez de tinta xadrez, corantes naturais. E muito, muito pó de serragem, borra de café e bagaço de cana, um subproduto abundante na cidade que já foi uma das maiores produtoras de açúcar do país. De olho em entrar para o Guiness Book, o livro dos recordes, estreando uma nova categoria, a de primeiro tapete totalmente reciclável do planeta, Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, resolveu inovar na tradicional celebração de Corpus Christi. Criou o 1º Circuito de Tapetes Sustentáveis, com a confecção de cerca de 2 mil metros de painéis para cobrir as ruas do Centro e dos distritos de Baixa Grande, Travessão, Goytacazes e Farol de São Tomé.

No Centro%2C a confecção dos tapetes sustentáveis envolveu 650 fiéis e voluntários%3A público aprovou o trabalho Divulgação

Somente no Centro, para o trajeto da procissão até a Catedral de São Salvador, foram 1.3 mil metros, com a criação de 55 tapetes de 5m cada e mais 10 passarelas, de 8 a 15m. A empreitada mobilizou mais de 650 fiéis de 12 paróquias e voluntários de órgãos públicos e de classes. Todo o material usado será processado e vai virar adubo orgânico para ser doado a agricultores familiares e aplicado nas hortas comunitárias do município.

“Fotogramos e filmamos tudo e vamos dar entrada semana que vem na representação do Guiness Book, que fica no Rio, com a indicação para criar essa nova categoria. Uma ong ambiental também dará um parecer técnico sobre os materiais empregados”, contou Wilson Heidenfelder, presidente do Convention e Visitor Bureau de Campos, organizador do evento, em parceria com a prefeitura e a Diocese.

Araruama usa 65 toneladas

Nem a chuva atrapalhou o trabalho dos voluntários que participaram da confecção dos tapetes em Araruama, na Região dos Lagos, iniciada ainda na noite de quarta-feira. A cidade orgulha-se de deter o título do maior tapete de sal do interior do estado. Registros históricos indicam que a tradição local vem desde 1920 e se fortaleceu a partir de 1953, quando os franciscanos assumiram a paróquia local.

De acordo com o subsecretário municipal de Cultura, Robson Sales, foram confeccionados cerca de 300 tapetes, em uma extensão de quase dois quilômetros. Para o trabalho, foram utilizadas 65 toneladas de sal produzidos na própria cidade. A Copa do Mundo, a paz, a canonização dos papas João Paulo II e João XXII e de santos brasileiros e o tráfico humano, tema da Campanha da Fraternidade deste ano, dominaram os painéis. Por causa do mau tempo, a missa ocorreu dentro da Igreja Auxiliar de Nossa Senhora de Guadalupe, na Praça Antônio Raposo.


Últimas de _legado_O Dia no Estado