Paraty se prepara para ser patrimônio da Unesco

São investidos R$ 35 milhões em obras de saneamento básico por meio de parceria público-privada

Por O Dia

Rio - Às vésperas de receber uma das maiores feiras literárias do mundo, a Flip, Paraty ganha obras de infraestrutura para se candidatar a Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. Cerca de 70% da população do município serão beneficiadas com obras de esgotamento sanitário e complementação de abastecimento de água potável na região.

Dentre os critérios da entidade para a seleção e escolha de sítios urbanos, a existência de saneamento básico é fundamental. Para isso, a construção de um adequado sistema de esgotamento sanitário permitirá que Paraty se candidate ao título. Ao todo, 26 mil habitantes da cidade histórica já recebem as melhorias, que começaram pelo bairro Parque da Mangueira, um dos mais populosos do município. 

Iniciadas em 16 de junho, as intervenções estão sendo feitas por meio de uma parceria público-privada (PPP) entre a prefeitura de Paraty, a concessionária Águas de Paraty, do grupo Águas Brasil, a empresa Eletronuclear e o Governo do Estado. De acordo com a prefeitura, esta é a única PPP que recebe recursos do estado, do governo federal, do município e do setor privado no Brasil.

Serão investidos cerca de R$ 83 milhões no projeto, sendo R$ 35 milhões vindos do Fecam (Fundo Estadual de Conservação Ambiental), da Secretaria do Ambiente, R$ 13 milhões da prefeitura, R$ 15 milhões da concessionária privada Águas do Brasil e R$ 20 milhões da Eletronuclear, em contrapartida pela licença ambiental para construção da Usina Angra.

Melhorias do projeto

Nas ruas da localidade, estão sendo feitos trabalhos de assentamento das tubulações de 150 milímetros da rede coletora de esgoto e escavação de valas, além das ligações domiciliares. As obras incluem a melhoria do sistema de abastecimento de água do município a partir da construção de duas Estações de Tratamento de Água (ETA), uma na localidade de Pedra Branca e outra no bairro Corisco, cada uma com capacidade para tratar 130 litros de água por segundo.

Também serão construídos cinco reservatórios e implantados mais de 20 quilômetros de redes de distribuição de água, além da padronização de ligações e instalação de hidrômetros. O projeto prevê ainda a implantação de um sistema de prevenção de incêndio no Centro Histórico de Paraty.

Para o morador do Parque da Mangueira Benedito Senna, de 51 anos, as obras de saneamento serão importantes para revitalizar o Rio Mateus Nunes, que fica às margens do bairro. "Esta iniciativa vai ajudar a valorizar a região, que é muito bonita. Certamente, vai atrair mais visitantes para estas regiões, que ficam mais distantes do centro histórico de Paraty", disse.

Nos primeiros quatro anos, serão instalados 56 quilômetros de rede coletora de esgoto sanitário, que atenderá a cerca de 6,3 mil domicílios. Também será construída de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), no bairro Caboclo, com capacidade para tratar inicialmente 100 litros de esgoto por segundo, em uma vazão máxima para 134 litros por segundo. Este empreendimento contribuirá para reduzir a poluição de dois importantes rios que cortam o centro urbano da cidade, o Perequê-Açu e Mateus Nunes.

A previsão é de que as obras da Estação de Tratamento de Água (ETA) sejam concluídas até o final do primeiro semestre de 2015, e as da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), até o fim de 2016.



Últimas de _legado_O Dia no Estado