Retirada de óleo que vazou no mar prossegue em Mangaratiba

Sobrevoos do Inea não constataram manchas de óleo na Baía de Sepetiba. Angra quer retomada de operações da Transpetro

Por O Dia

Rio -Em dois novos sobrevoos realizados nesta segunda-feira (22) na área atingida pelo vazamento de óleo do duto da Transpetro em Mangaratiba não foram constatados vestígios de óleo na Baía de Sepetiba e, no mangue localizado na foz do Rio Itinguçu. De acordo com o Serviço de Operações de Emergência (Sopea) do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) foram avistadas apenas duas manchas mais finas e iridescentes, o chamado filme de óleo.

O trabalho de contenção e limpeza continua nesta terça-feira (23). Durante a noite, equipes permanecem de vigia nas barreiras e no Rio Itinguçu para guarda dos equipamentos. A operação está concentrada no trecho do rio entre a BR-101 e a foz, com um total de cerca de 200 pessoas. O solo e a vegetação contaminados estão sendo removidos e a água misturada com óleo aspirada para caminhões-tanque. Cinco pares de barreiras absorventes e de contenção continuam instaladas para evitar que o óleo chegue à Baía de Sepetiba.

Perda de R$ 30 milhões por ano

Em abril deste ano, o Inea suspendeu a licença para as operações “ship to ship“ (navio para navio) que ocorria na Baía da Ilha Grande, o que alavancou uma grande perda financeira para Angra dos Reis Com essa decisão, que segundo o secretário estadual do Ambiente, André Corrêa, é irrevogável, o município busca agora conseguir manter a licença das operações da empresa que são realizadas no píer, e alerta para que ocorram de uma forma mais segura.

"Estamos tentando de alguma forma manter essas operações aqui no nosso município, caso contrário, termos uma perda de mais de 30 milhões ao ano. A empresa terá que responder às recomendações do Inea, devido ao vazamento de óleo que teve em nossa baía e, dentro do prazo estipulado pelo Instituto, cumprirão com o que foi estabelecido", disse a prefeita Conceição Rabha.

Ela se reuniu na manhã desta segunda-feira, 22, com a gerência-geral de Operações de Terminais Aquaviários da Transpetro no município, Marcelo Rodrigue de Araújo e Beanor Joaquim de Souza Filho. O objetivo do encontro foi tentar a permanência das atividades da empresa no município e inteirar os diretores sobre a reunião realizada na última semana com o governador Luiz Fernando Pezão, e com o secretário estadual de Meio Ambiente, André Corrêa.

Na mesma ocasião, a prefeita, que estava acompanhada do diretor executivo da Turisangra, Nílton Júdice, e do secretário de Obras, Luiz Antônio Rodrigues, solicitou à empresa Transpetro auxílio na manutenção do Forte do Leme, localizado na Ponta Leste. A empresa sinalizou que fará um estudo para delimitar a área, que é de responsabilidade da Transpetro, e analisará a solicitação do poder público para atuação naquele terreno, em termos de manutenção.

Últimas de _legado_O Dia no Estado