Prefeitura diz que houve ‘excesso dos taxistas’ em protesto

Ato contra o Uber leva transtorno aos cariocas. Prefeito ameaça punir motoristas com a cassação das autonomias

Por O Dia

Rio - O prefeito Eduardo Paes esteve reunido nesta manhã com alguns de seus secretários tentando buscar uma solução para os transtornos causados pelo protesto dos taxistas nesta sexta-feira. A cidade está em estágio de atenção desde às 9h30 por conta do engarrafamentos em várias regiões e a prefeitura deu um prazo para que as principais vias sejam liberadas pelos taxistas. Caso contrário, eles podem ser punidos com a cassação das autonomias.

Manifestação teve início ainda na madrugada e prejudicou milhares de pessoas que tentavam chegar ao trabalhoSeverino Silva / Agência O Dia

"Há um pouco de excesso dos taxistas na medida que foram fechadas vias importantes da cidade, impedindo os acessos aos aeroportos, à rodoviária, e causando prejuízos ao trânsito da cidade. Portanto, a Prefeitura exigiu aos integrantes do movimento que a cidade retome a sua normalidade até o meio-dia para que seja possível avançar no diálogo. Aplicamos multas com base no Código de Trânsito Brasileiro, a que estão sujeitos todos os cidadãos. Caso os taxistas mantenham a manifestação dessa forma, nós tomaremos medidas mais enérgicas, podendo chegar, inclusive, à cassação da autonomia", garante o secretário municipal de Transportes, Rafael Picciani.

VEJA MAIS

Taxistas fazem protesto contra atuação do Uber no Rio

Prefeitura decreta estado de atenção por conta de protesto de taxistas

Uber oferece descontos para usuários nesta sexta-feira

GALERIA: Taxistas protestam contra o Uber

O secretário lembrou que a prefeitura contestou na Justiça a legalidade do Uber. "A Prefeitura do Rio, através da Procuradoria-Geral do Município, contestou judicialmente a legalidade do aplicativo que, hoje, funciona na nossa cidade e tivemos uma decisão desfavorável ao nosso pleito. Nós entendemos a angústia dos taxistas, que isso gera prejuízo à atividade regulamentada para o táxi no Rio, mas as decisões judiciais precisam ser respeitadas e as contestações precisam se dar no âmbito judicial”, afirma.

Devido ao ato dos taxistas, os transportes públicos circularam em esquema especial e registraram um aumento no número de passageiros. A CCR Barcas transportou 43.659 passageiros até às 10h e registrou aumento de 25% na procura pelo serviço. Na linha Cocotá-Praça XV, foram transportadas 3.438 pessoas durante o rush da manhã. Este número é 96% maior que a média das sextas-feiras do mês de abril do ano passado.

A SuperVia registrou mais de 235 mil embarques em suas estações até às 9h. A concessionária responsável pelos trens manteve toda a frota em operação. Já o Metrô, desde às 5h, operou com frota máxima e posicionou trens extras em estações estratégicas.

Últimas de Rio De Janeiro