Corpo de jovem morta em arrastão é enterrado na Região Serrana

Mãe acompanhou cortejo consternada. Adolescente ia encontrá-la neste fim de semana, mas levou tiro na cabeça

Por O Dia

Rio - O corpo de Ana Beatriz Frade morta aos 17 anos foi enterrado neste domingo, no Cemitério de Petrópolis, Região Serrana do Rio. Cerca de 100 pessoas acompanharam o cortejo na tarde deste domingo de Dia das Mães. A estudante foi morta em um arrastão próximo à entrada 4 da Linha Amarela, sentido Centro da via na altura de Del Castilho, na Zona Norte.

A família da adolescente estava consternada. A mãe, Roberta, o padrasto e o pai Flávio Frade choravam muito. Dias antes da tragédia, a jovem havia publicado nas redes sociais que estava feliz porque iria passar o Dia das Mães junto com a sua. Pessoas que não conheciam a vítima também se juntaram aos parentes e prestaram solidariedade.

Polícia prende suspeitos de matar jovem em arrastão na Zona Norte

Mãe e padrasto de Ana Beatriz no enterro da jovem neste domingo no Cemitério Municipal de PetrópolisEstefan Radovicz / Agência O Dia

A Polícia Civil prendeu neste domingo um homem dois menores de 17 anos, acusados de fazerem parte do arrastão que culminou na morte da jovem Ana Beatriz. Segundo o delegado Roberto Ramos, da 44ª DP (Inhaúma), os três foram encontrados na comunidade Fernão Cardim na manhã deste domingo. Na operação, Douglas Paiva Santos Ventura da Silva, de 18 anos, foi preso e dois menores de 17 anos foram apreendidos. Os três indivíduos vão responder pelo crime de associação criminosa.

Mãe e padrasto da adolescente Ana Beatriz Frade estavam consternados em cortejoDiego Valdevino / Agência O Dia
Ana Beatriz Frade morreu baleada na cabeça Reprodução Instragram

Futuro promissor

Em sua página no Facebook, Ana Beatriz seguia diversas publicações sobre medicina, carreira que pretendia estudar. Ex- professora, Ana Cristina Pádua Botechia relatou que a adolescente era esforçada e tinha um futuro promissor. "Revoltante saber que a sua ex-aluna, com apenas 17 anos, linda, simpática, cheia de sonhos, inteligente e esforçada, que estava se preparando para ingressar numa faculdade de Medicina, perde sua vida assim. Uma bala "perdida" foi encontrar justo a Ana Beatriz Frade no Rio de Janeiro. Muito triste, muito mesmo. Deus conforte todas as pessoas que conviviam com ela e estão sofrendo esta perda", publicou.

Arrastão

No momento do crime, a jovem estava com a família, entre eles um bebê de colo, em uma Pajero. Segundo informações, o padrasto teria tentado furar o bloqueio e os assaltantes atiraram contra o veículo. A menina, que estava no banco do carona, foi atingida na cabeça e morreu no local. A família seguia para o aeroporto fazer uma surpresa para a mãe da jovem, que estava chegando de viagem.

Os criminosos roubaram um Palio vermelho para fugir. O carro foi deixado na via por uma policia militar, que conseguiu fugir deixando a farda e a arma. Ela prestou depoimento na 44º DP (Inhaúma).

O padrasto, que não teve o nome divulgado, foi hospitalizado no Rio em estado de choque, segundo o delegado Phelipe Cyrne. “Os bandidos vieram de uma linha férrea para fazer o arrastão”, contou o delegado Cyrne. “Uma policial militar estava no carro atrás do veículo da Ana. Ela escutou o disparo, abandonou o veículo e fugiu. Os pertences dela foram roubados. O depoimento dela é importante”.

O resultado do exame balístico é aguardado para determinar qual o calibre da bala que atingiu Ana.

Últimas de Rio De Janeiro