Em depoimento, irmão de Bruno indica local do corpo de Eliza Samudio

Rodrigo Fernandes das Dores de Souza foi ouvido a pedido da Polícia Civil do Rio

Por O Dia

Bruno está preso desde 2010%2C acusado de participar do assassinato de Eliza SamudioReprodução

Rio - Depoimento do irmão do ex-goleiro do Flamengo Bruno à Polícia Civil do Piauí pode trazer novos rumos para um dos crimes que mais abalaram e comoveram o país. Rodrigo Fernandes das Dores de Souza, de 27 anos, preso desde 2015 na Casa de Detenção Provisória de Altos por quatro processos por estupro, disse a agentes piauienses que saberia indicar o local onde estariam os restos mortais de Eliza Samudio, mãe do filho de Bruno, desaparecida em 2010 e cujo corpo nunca foi achado.

Rodrigo garantiu que os despojos de Eliza estariam enterrados “numa cidade do interior de Minas”, mas que só dará mais detalhes de qual município e do local exato caso seu nome seja incluído no Programa de Proteção a Testemunhas.

Segundo o delegado geral do Piauí, Riedel Batista, o depoimento foi obtido pelo chefe da Delegacia de Polícia interestadual, Elídio Duarte, por meio de carta precatória. As informações foram colhidas a pedido da Polícia Civil do Rio de Janeiro, responsável pela investigação do caso.

No depoimento, o irmão do ex-goleiro falou sobre nomes de pessoas que ainda não teriam sido ouvidas pela Justiça, garantiu que teria presenciado a morte de Eliza e falou de supostos locais em que os restos mortais poderiam estar. Tudo que foi dito por Rodrigo será repassado à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, que vai apurar se as novas informações procedem.

Riedel evitou revelar onde poderiam estar os restos mortais. “Por questões de segurança, não vamos informar. Todas as informações foram passadas para a Polícia Civil do Rio”, declarou, lembrando que Rodrigo teria um histórico de supostamente falar mentiras em depoimentos.

Em nota, a Deam de Jacarepaguá informou que “foi expedida carta precatória solicitando a formalização da oitiva de Rodrigo. Na nota, a delegacia ressaltou que a investigação complementar é para identificar dois homens que teriam participado do primeiro sequestro e da tentativa de aborto sofridos por Eliza, em 2009, nos quais já foram indiciados Bruno e Luiz Henrique Romão, o Macarrão.

Goleiro está recém-casado
Eliza tinha 25 anos quando desapareceu. Em março de 2013, Bruno, junto com mais cinco pessoas, foi considerado culpado pelo homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado. Ele foi sentenciado a 22 anos e três meses de prisão pela morte e ocultação do cadáver, além do sequestro do filho.

Desde setembro de 2015 Bruno passou a cumprir a pena na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac), em Santa Luzia, na Região Metropolitana de BH. No dia 18, o goleiro e a dentista Ingrid Calheiros oficializaram o casamento em cerimônia no local.

O delegado geral da Polícia Civil do Piauí%2C Ridel Batista em entrevista coletivaWhatsApp O DIA (98762-8248)

Leia mais:

Ex-goleiro Bruno se casa com dentista em presídio

Regime semiaberto para Macarrão

Bruno diz que foi alvo de facada em briga na cadeia

Bruno revela mágoa com companheiros de Flamengo e objetivo de voltar a jogar

O caso

A ex-amante do então goleiro do Flamengo desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi encontrado pela polícia. Eliza tinha 25 anos e era mãe do filho de Bruno. A paternidade da criança não era reconhecida pelo jogador.

Em 2009, antes de desaparecer, Eliza Samudio havia registrado queixa contra o ex-goleiro. Na época Eliza disse ter sido ameçada de morte e obrigada a tomar remédios abortivos.

Bruno foi considerado culpado pelo homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado da jovem em março de 2013. Com isso, o ex-goleiro foi sentenciado a 22 anos e três meses de prisão em regime fechado pela morte e ocultação do cadáver, além do sequestro do filho de Elisa.

Reportagem dos estagiários Luis Araujo e Lucas Cardoso



Últimas de Rio De Janeiro