Integrantes de quadrilha de cambismo são presos no Rio

Lucro da empresa que agiu na Copa do Mundo chegaria a R$ 10 milhões

Por karilayn.areias

Rio - A Polícia Civil anunciou hoje a desarticulação de uma quadrilha internacional de cambismo que vinha trabalhando nas Olimpíadas, com a prisão em flagrante do irlandês Kevin James Mallon, diretor-financeiro da empresa THG. O empresário foi detido na sexta-feira, dia da cerimônia de abertura dos Jogos, num hotel da Barra da Tijuca, durante um coquetel oferecido aos clientes que compraram ingressos por cerca de US$ 8 mil (R$ 25 mil) quando o valor oficial era de até R$ 1.400.

"Eles caíram no golpe dessa empresa. O evento oferecido foi um grande coquetel no Copacabana Palace, com direito a ingresso e traslado para o Maracanã, mas ganharam apenas uns salgadinhos em um hotel na Barra. E ficaram sem ver a abertura, pois chegamos na hora e efetuamos a prisão do empresário em flagrante", contou o delegado Aloysio Falcão.

A THG é controlada pelo grupo inglês Marcus Evans, cujo CEO (Diretor Executivo) James Sinton já havia sido preso no Rio, em 2014, durante a Copa do Mundo, mas acabou liberado após o pagamento de fiança e deixou o Brasil.

"A diferença é que, desta vez, o Comitê Rio 2016 tem sido parceiro da polícia, diferentemente do que aconteceu com a Fifa. O Kevin James está preso em Bangu e agora temos muito mais elementos para oferecer à Justiça e fazer que ele fique preso por bem mais tempo", explicou o delegado Ronaldo Oliveira, diretor do Departamento de Polícia Especializada. Mallon foi autuado por associação criminosa, marketing de emboscada e facilitação ao cambismo e pode ser condenado a até sete anos de prisão.

A THG foi uma das empresas credenciadas para a venda oficial de ingressos da Olimpíada de 2012, em Londres, mas não foi autorizada a participar dos Jogos do Rio. Segundo o delegado Ricardo Barbosa, da Delegacia de Defraudações, os lucros com a revenda de ingressos para a competição deste ano seriam da ordem de R$ 10 milhões.

"Eram ingressos muito qualificados, para as cerimônias de abertura e encerramento, para finais de modalidades muito procuradas e em locais privilegiados. Era um esquema bem maior do que o da Copa do Mundo", explicou Barbosam que coordena o NAGE (Núcleo de Apoio aos Grandes Eventos), da Polícia Civil, criado para atuar na tanto no Mundial de 2014 como nos Jogos Olímpicos.



Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia