PM é suspeito de espancar homem em Vila Valqueire

Segundo a vítima, homem seria lotado na Operação Lei Seca. Caso está sendo investigado pela Corregedoria Interna da Polícia Militar

Por O Dia

Rio - A Corregedoria da Polícia Militar abriu inquérito para apurar uma denúncia do cabo Rubens Gomes da Silva, lotado no 5º BPM(Praça da Harmonia), contra o capitão Fábio dos Santos Bomfim, lotado na Operação Lei Seca. O cabo relatou na 1ª Delegacia de Polícia Militar Judiciária (DPJM) e na 29ª DP (Madureira) que seu irmão, Robson Gomes da Silva, foi espancado pelo oficial, dentro da casa de shows Tradição, em Campinho, na madrugada de domingo.

De acordo com a denúncia, Rubens contou que Robson e um amigo seguiam de moto na Estrada Intendente Magalhães, quando se depararam com um congestionamento. Para seguir, o piloto subiu na calçada em frente à casa de shows e ele e o amigo foram abordados pelo capitão. O oficial, que de acordo com a denúncia se apresentou como capitão e chefe de segurança do local, revistou Robson, desligou a moto, tirou a chave da ignição e xingou o motociclista. O capitão teria ficado irritado com os questionamentos de Robson e começaram as agressões.

Levado para dentro do estabelecimento, em momento de distração dos seguranças, a vítima conseguiu ligar para o irmão. Ao chegar ao local, o amigo que estava com Robson contou o ocorrido a Rubens. De acordo com o relato do cabo, Bomfim teria dito que só não mandou Robson “pra vala” (matado) por ele ser irmão de policial e que as agressões foram poucas, pois a vítima o havia destratado.

Rosto desfigurado

Na denúncia à Corregedoria, Rubens diz que encontrou Robson em um local da casa de shows, preso por cinco homens, com o rosto desfigurado, inchado e sangrando. Ele disse que levou o irmão à UPA de Madureira e depois seguiu para a 29ª DP, onde o caso foi registrado. A vítima também foi encaminhada para exame de corpo de delito no IML. Robson denunciou que teve o relógio furtado pelos agressores e os pneus da moto rasgados. Por fim, o cabo denunciou oficial à DPJM.

A Polícia Civil informou que diligências estão sendo feitas. O caso foi registrado como lesão corporal.

Últimas de Rio De Janeiro