Servidores organizam ato contra privatização da Cedae nesta terça-feira

Protesto ocorrerá no mesmo dia em que parlamentares vão votar o projeto de lei na Alerj

Por O Dia

Rio - Servidores estaduais estão organizando um ato contra a privatização da Cedae, a partir das 10h desta terça-feira, na porta da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), no Centro. O protesto ocorrerá no mesmo dia em que os parlamentares votarão o projeto de lei na Casa.

Funcionários da Cedae voltarão a protestar contra a privatização nesta terça-feiraEstefan Radovicz / Agência O Dia

Nas redes sociais, o Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe) afirmou que, com a privatização da Cedae, o serviço de água no estado será prejudicado. "Para a população em geral, vai aumentar a conta pela utilização da água e a piora na prestação dos serviços públicos, pois sem concurso não há reposição de mão de mão de obra. Além disso, o governo corrupto do PMDB, envolvido até o pescoço na Lava-Jato, ganha mais um cheque em branco para dar uma pedalada na Lei de Responsabilidade Fiscal", reforçaram em publicação no Facebook.

Além dos funcionários da Cedae, a manifestação também terá o apoio de outros setores da sociedade, como os alunos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Na convocação para o ato, os estudantes lembram ainda que vão lutar pela educação pública.

Protesto termina em confronto

Na última quinta-feira, os funcionários já haviam feito outro protesto contra a privatização da Cedae. Houve confusão e muita correria no local. PMs utilizaram gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral para dispersar o tumulto. Um jovem, de 18 anos, foi ferido por uma bala de borracha e depois precisou ser operado no Hospital Municipal Souza Aguiar.

Houve confronto entre policiais e manifestantes durante ato contra a privatização da Cedae. Servidores da Segurança também participaram do ato nesta quintaFoto%3A Estefan Radovicz / Agência O Dia

Em nota, a polícia informou que um "grupo de mascarados" atirou pedras, rojões e coquetéis molotov contra as equipes de segurança no entorno da Alerj. A corporação destacou que seis PMs foram feridos e levados para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM). Um homem foi preso por jogar pedras nos policiais.

Últimas de Rio De Janeiro