Menina é atingida por bala perdida na Rocinha

Segundo relatos, vítima de 12 anos foi atingida enquanto voltava de uma igreja evangélica na comunidade na noite desta quarta-feira

Por O Dia

Rio - Uma menina de 12 anos foi atingida por uma bala perdida, na noite desta quarta-feira, na Rocinha, Zona Sul do Rio. Segundo relatos, Ana Clara Barbosa da Silva foi baleada no abdômen enquanto voltava de uma igreja evangélica na comunidade. A PM informou que ela ficou ferida no momento em que bandidos armados assaltavam uma mercearia na Rua 2.

Inicialmente, a vítima foi socorrida para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Depois, ela foi levada para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, Ana Clara passou por uma cirurgia e seu estado de saúde é estável. A ocorrência foi registrada na 11ª DP (Rocinha).

Segundo uma moradora, de 30 anos, houve um intenso tiroteio na comunidade nesta madrugada. "Isso aqui não tem mais solução", lamentou a mulher, acrescentando que precisou se esconder dos tiros no banheiro de casa. Nesta manhã, uma parte do comércio estava fechada na parte baixa da favela.

Ana Clara foi baleada na mesma semana em que a turista espanhola Maria Esperanza Jimenez Ruiz, 67 anos, foi morta na Rocinha. Na ocasião, ela fazia um passeio na comunidade em um carro com o seu irmão, a cunhada, um turista italiano e uma guia.

Polícia vai indiciar sócios e guia de turismo após morte de espanhola na Rocinha

A Delegacia de Atendimento ao Turismo (Deat) vai indiciar a guia e os sócios da Transport Rent Service Agency, agência de turismo que levou espanhóis para a Rocinha na última segunda-feira, por omissão de informações de segurança.

Em depoimento na segunda-feira, a guia Rosângela Riñones Cunha disse que o guia local havia dado o aval para subir a favela com os turistas. Já o guia da Rocinha, Leonardo Soares Leopoldino, desmentiu a informação. Leonardo contou que recebeu uma ligação de Rosângela e afirmou que não recomendava passeios na comunidade naquele momento. 

Na delegacia, o guia local destacou que "Rosângela não deveria ter mentido à polícia". Leonardo chegou a dizer que "não vejo turistas como notas de dólares". O rapaz é subcontratado por empresas para guiar os turistas. Por causa das contradições nos depoimentos, a Deat pretende ainda fazer uma acareação entre Leonardo e Rosângela.

Últimas de Rio De Janeiro