Comandante assassinado no Méier é enterrado sob comoção

'Daremos a resposta devida e continuaremos trabalhando', disse o comandante-geral Wolney Dias

Por O Dia

Rio - Foi enterrado na tarde desta sexta-feira, sob forte comoção de familiares, amigos e colegas, o corpo do coronel da PM Luiz Gustavo Teixeira, morto com um tiro de fuzil no peito em um arrastão na Rua Lins de Vasconcelos, próximo à Rua Hermengada, no Méier, Zona Norte do Rio, na manhã de quinta.

Enterro do comandante Luís Gustavo Teixeira%2C do 3º BPM%2C foi marcado por comoção de amigos e familiaresMárcio Mercante / Agência O Dia

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Wolney Dias, falou ao DIA sobre o caso. "Daremos a resposta devida. A PM está de luto, perdemos um companheiro e amanhã enterraremos mais um. Mesmo assim, continuares trabalhando e operando, empreendendo ações. Não me digam que se perder 112 policiais militares é normal. São 112 companheiros e famílias que derramaram seu sangue, suor e lágrimas em prol do Estado", destacou Dias.

Cerca de 400 pessoas compareceram ao cortejo no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. O cabo Nei Vilar, que dirigia o carro onde estava o comandante e trocou tiros com os bandidos, era um dos mais emocionados. Teixeira era querido por moradores do Méier, de onde comandava o 3º BPM (Méier) há quase dois anos. O coronel Adalberto Rabelo, presidente da Associação dos Militares Ativos e Inativos (Aomai) alertou para o aumento da violência na região.

"O Grande Méier é massacrado pela criminalidade. O coronel Teixeira sempre estave do nosso lado e defendeu a população daquela região. O policiamento é cada vez menor lá. Ele fez das tripas coração para manter o contingente de policiais no Méier", destacou.

O subsecretário de Assuntos Estratégicos, Roberto Alzir, informou que a secretaria de Segurança está articulando forças para conter a violência no Rio. "O trabalho é incessamente para tentar trazer a cidade um patamar razoável de segurança. O apoio das Forças Armadas é initerrupto. Estams discutindo possibilidades de novas ações. Os criminosos serão presos em questão de tempo", disse Alzir.

Antes do sepultamento, o major capelão Marcelo Araújo fez uma oração e as bandeiras do Brasil e do Vasco da Gama, clube de coração de Teixeira, foram colocadas no caixão. Neste sábado, o cabo Djalma Pequeno, morto horas depois do comandante, em uma tentativa de assalto a uma joalheria no Shopping Guadalupe. 

Reportagem do estagiário Gustavo Côrtes, sob supervisão de Thiago Antunes

Últimas de Rio De Janeiro