Informe: 'O governo incentiva a greve', diz vereador Paulo Pinheiro

Para o político, boa parte da crise atual é consequência de uma herança maldita deixada por Eduardo Paes

Por O Dia

Rio - O governo do prefeito Marcelo Crivella tem incentivado greves na Saúde com a falta de repasses para a área. A tese é sustentada pelo vereador Paulo Pinheiro (Psol). Médico, o oposicionista já presidiu as comissões de Saúde da Câmara Municipal, na qual defende agora o seu terceiro mandato, e da Assembleia Legislativa, onde atuou por oito anos.

Vereador Paulo PinheiroDivulgação

Para ele, boa parte da crise atual é consequência de uma herança maldita deixada por Eduardo Paes: "O ex-prefeito terceirizou o atendimento deixando 53% da rede no comando de Organizações Sociais. Um fracasso administrativo".

ODIA: Qual gestão cuidou melhor da Saúde: a do ex-prefeito Eduardo Paes (PMDB) ou a do atual, Marcelo Crivella (PRB), nestes 11 meses?

Pinheiro: Vou ter que ir lá atrás, porque nenhuma delas eu vou indicar. A melhor gestão de Saúde no Rio foi a do secretário Ronaldo Gazolla, mesmo sendo no governo Cesar Maia (DEM).

Então desaprova as gestões de Paes e Crivella na Saúde. Quais os principais erros de cada um?

Quando o Paes assumiu, a Secretaria de Saúde tinha 29 mil servidores públicos estatutários. No final do governo, ele começou a criar uma gestão chamada compartilhada. Quando ele saiu do governo, o número de estatutários tinha caído para 24 mil, e 53% da gestão dos hospitais estava na mão de Organizações Sociais. Já o número de terceirizados passou de 3.500 para 30 mil no fim da gestão do Paes. E o resultado está aí agora. As OSs são o maior fracasso administrativo. Para não ser injusto, o Eduardo fez coisas boas: estendeu a rede, aumentou a cobertura da atenção primária e construiu 117 Clínicas da Família.

E a gestão Crivella?

O Crivella diz que a culpa da crise é das OSs. É em parte. O principal erro do Crivella é na avaliação do problema. As OSs são responsáveis por 53% da rede de atendimento, mas e os outros 47% que também não funcionam?

O prefeito diz que esses 47% estão funcionando...

É mentira. Visitei os hospitais Miguel Couto, Salgado Filho e Souza Aguiar. A administração direta também não funciona. Isso é porque o Crivella está enfrentando uma crise econômica. Entendo que ele tenha problema de receita. O orçamento que o Eduardo deixou é mentiroso.

Qual a alternativa?

O Crivella precisa botar a mão no dinheiro que arrecadou e buscar, nas secretarias nas quais não vão morrer ninguém, repasses para a Saúde. Ele precisa de R$ 370 milhões para fechar o ano. O governo anterior deixou um buraco muito grande para este governo, mas este governo já deixou um buraco muito grande para ele mesmo e está incentivando a greve. É preciso prioridade. Tem que ter peito de virar para o Indio da Costa (PSD) e dizer: "Não vou ter dinheiro para botar na sua secretaria (de Infraestrutura)". Ah, vai ter que parar obra do BRT? Então para! É dizer que não vai mais poder abrir restaurante popular para a Clarissa Garotinho (PRB) até o fim do ano. É, por exemplo, deixar de fazer a campanha (eleitoral) deles dois.

 

Últimas de Rio De Janeiro