Sebos ainda sobrevivem à modernidade

Encontramos cinco livreiros que resistiram ao tempo e continuam com a venda de livros

Por O Dia

Livros antigos, novos, usados, raros… Se você pensava que eles tinham desaparecido, não é bem por aí. Apesar de cada vez mais extintos por aqui, os sebos ainda persistem. Nenhuma prefeitura soube informar quantos sebos existem na Baixada, então, nossa equipe pesquisou e encontrou cinco sebos: físicos e virtuais.

Os apaixonados pelos livros podem encontrar o sebo do Eliel Dias em Duque de Caxias. E ele garante: ama o que faz. “Eu acho que a base de todo cidadão é a informação, o que você pode conseguir através da leitura”, diz.

Livreiros apostam na variedade para continuar atraindo os clientes Divulgação

No acervo, Eliel oferece para seus clientes uma variedade de temas. São livros universitários, romances, coletâneas de poesias e tantos outros.

E ele garante que as vendas vão bem. Em único mês chegou a vender 2.700 livros.
Mas nem todos têm a mesma sorte, muitos lojistas estão passando o ponto ou migrado para as versões online.

Foi o que aconteceu com Paulo Henrique, que optou por colocar a Prazeres Ligeiros na web. “Com interesse das pessoas de comprar pela internet, foi mais fácil e econômico montar uma loja virtual”, conta.

Os sebos ajudam a colocar em circulação livros usados e em bom estado, que podem ser reaproveitados e ganhar uma nova utilidade e os valores são bem mais acessíveis. "É uma boa opção para o bolso e para o cérebro”, brinca Leila Araujo, cliente assídua dos sebos.


Onde achar

>Eliel: R. Professor José de Souza Herdy, Caxias.

>Rua Quintino Bocaiúva 98, Centro, Nova Iguaçu.

>Prazeres Ligeiros: www.estantevirtual.com.br/prazeresligeiros

>Mundi Portugal: www.sebomundiportugal.livronauta.com.br


>Progresso: www.estantevirtual.com.br/seboprogresso


Matéria dos alunos do projeto O Dia/ UNIGRANRIO


Últimas de Rio De Janeiro