Exonerar não resolveu a questão

Corte na folha não foi suficiente para colocar salários em dia em Mesquita e Belford Roxo

Por O Dia

Rio - As prefeituras da Baixada estão sofrendo com a crise financeira. Em Mesquita e Belford Roxo funcionários foram exonerados como forma de contingência de despesas. Apesar da economia a medida não foi suficiente para colocar os salários em dia. Em Belford Roxo os atrasos já chegam a dois meses.

“Trabalho há muitos anos como servidora em Belford Roxo e isso nunca aconteceu. Estamos sendo humilhados. Estou cheia de dívidas e daqui a pouco vão cortar minha luz, já recebi o aviso”, disse Cátia Ferreira, de 58 anos.

Para Maria Aparecida a situação é revoltante. “ Depois de anos dedicados ao município, somos obrigados a lutar para ter direito a receber pelo trabalho que realizamos. Como pode isso?”, indaga.

Em Mesquita%2C servidores protestaram contra os atrasos e cobraram um posicionamento da PrefeituraDivulgação

Em Mesquita a situação não é diferente. Na semana após a eleição, quando Gelsinho Guerreiro foi derrotado nas urnas, o prefeito fez a limpa entre os funcionários. Quem ficou teve que fazer protesto para receber o salário.

“As coisas já não estavam boas, mas depois que ele perdeu a eleição piorou. Só os efetivos receberam. Os cooperativados e comissionados ainda não receberam. O prefeito nos culpa por ele não ter sido eleito”, informou um funcionário.

A Prefeitura de Belford Roxo afirmou que conseguiu economizar cerca de R$ 3 milhões com as exonerações e que os salários já começaram a ser regularizados. O pagamento completo só será possível mediante ao recebimento dos repasses estaduais e federais. Já a prefeitura de Mesquita não quis se pronunciar.

Últimas de Rio De Janeiro