Cuidados para evitar prejuízos em dias de chuvas fortes nos condomínios

Especialistas falam sobre as manutenções no telhado e no elevador, por exemplo

Por Marina Cardoso

Manutenções do condomínio garantem tranquilidade em dias de chuvas fortes
Manutenções do condomínio garantem tranquilidade em dias de chuvas fortes -
Rio - As chuvas não deram trégua no Rio. Com o grande acúmulo de água, vem a necessidade de se atentar para os cuidados necessários em edificações. Os síndicos precisam redobrar a atenção para proteger as  áreas comuns do condomínio. A manutenção do edifício deve estar em dia para evitar prejuízos, como alagamento, infiltração, curtos-circuitos ou choques nos moradores.
De acordo com Cláudio Affonso, diretor de Negócios Condominiais da Cipa, a prevenção é essencial para o bom funcionamento de um condomínio em períodos de chuvas fortes. “Com a manutenção em dia, com uma boa impermeabilização, evita-se infiltração nas unidades e, assim, o condomínio não corre risco de uma tragédia”, explica.
Segundo o arquiteto Fernando Santos, é fundamental os condomínios manterem as calhas e tubulações de águas pluviais limpas e desobstruídas. “Dessa forma, haverá escoamento da água da chuva o mais rápido possível e a redução do risco de transbordamento de calhas e infiltrações em trechos não impermeabilizados da cobertura”, afirma.
‘Ralo abacaxi’
Uma das manutenções que geralmente é esquecida é o chamado ralo hemisférico (popularmente conhecido como ‘ralo abacaxi’), que protege a saída da calha evitando entupimento e impedindo que detritos entrem na tubulação.
Outro ponto importante na hora da manutenção é a verificação de todas as áreas da cobertura, pois são críticas nos períodos de chuvas fortes e volumosas. Para isso, deve-se garantir que as telhas estejam completas, sem rachaduras e bem fixadas.
“A infiltração por causa de chuvas pode vir tanto do telhado quanto das fachadas. No caso da fachada, fissuras podem ser ponto de entrada de chuvas de vento, especialmente nos últimos andares dos prédios”, explica Santos.
Em prédios mais antigos, a atenção deve ser redobrada pois a infiltração pode ocorrer pelos buracos de ar-condicionado sem arremate ou, ainda em edificações que janelas novas deixaram frestas sem calafetação.
Riscos e vistorias
Também é fundamental a vistoria nos ralos das áreas comuns e na tubulação de esgoto. Já nos elevadores, o cuidado deve ser para perceber se água está entrando nos poços. Caso atinja a máquina do aparelho, há o risco de curto-circuito nos motores ou queima.
Outro cuidado é com relação às bombas de poço. Caso não funcionem regularmente, há o risco de inundação em garagens subterrâneas, por exemplo.

Comentários