Desmanche da força-tarefa da PF em Curitiba não representa recuo na Lava Jato

Coordenador disse que o trabalho 'contaminou' Polícia, MP e o Judiciário

Por O Dia

Rio -  O desmanche da força-tarefa da PF em Curitiba não representa recuo na Lava Jato, na opinião do coordenador da Pós-Graduação em Ciências Criminais do CERS Cursos Online, Rogério Sanches.

Ele disse que o trabalho “contaminou” Polícia, MP e o Judiciário. Ressaltou que ontem operação em Igarapava, cidade paulista, levou ex-prefeito e mais cinco pessoas à prisão por suspeita desvio de R$ 26,4 milhões

Rogério Sanches%2C especialista em Ciências Criminais do Cers Cursos OnlineDivulgação

Com a palavra - Rogério Sanches, especialista em Ciências Criminais do Cers Cursos Online

O desmanche da força-tarefa da PF de Curitiba é um recuo?

Não. A Lava Jato tem apoio popular. Agora, não podemos esquecer que em Curitiba as investigações viraram processos. Os focos da força policial são Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.

Mas isso não é um sinal de ataque?

Nesse momento, fica uma clara declaração de contra-ataque. Se a força policial já não é mais necessária em Curitiba, deveria haver reforço, principalmente, no Rio.

O senhor acha que Temer será afastado?

O julgamento na Câmara dos Deputados é mais político do que técnico. Temer ainda demonstra força política.

Depois da Lava Jato há como retroagir?

Não. A Lava Jato contaminou a Polícia, o MP e o Judiciário. Hoje (ontem), em Igarapava, pequena cidade paulista, há grande operação. Os magistrados estão animados, sentindo-se mais respaldados.