Programa Rio de Janeiro a Janeiro promete não só alavancar setor e a economia como também contribuir para solucionar os problemas de segurança

Por O Dia

Rio - Com 104 eventos de diversos segmentos confirmados para 2018, que vão aumentar em 20% o número de visitantes no Rio e gerar mais de R$ 6,1 bilhões na economia do estado, o programa Rio de Janeiro a Janeiro promete ser a chave para solucionar também os problemas de segurança. Com a casa cheia, a expectativa é que a infraestrutura do município seja potencializada o ano todo.

?Veja o calendário completo

"Com grandes eventos, os órgãos públicos investem em patrulhamento, policiamento. Mesmo com poucos recursos, fazer com que a cidade se sinta segura e em sua melhor forma possível se torna prioridade", declarou o Marcelo Alves, presidente da Riotur. O Rock in Rio é um grande exemplo. O evento foi um sucesso, sem grandes imprevistos de segurança apesar da situação paralela na Rocinha.

"Queremos casa cheia o ano todo. Comprovamos que a cidade está pronta no Rock in Rio, que movimentou 20 mil empregos e mais de R$ 1 bilhão na economia. Recebemos 700 mil pessoas, os transportes funcionaram brilhantemente", completou Marcelo. E os números certificam esse otimismo: são 60.726 quartos e leitos hoteleiros para receber os turistas, a maior capacidade já vista na cidade. De acordo com dados da Fundação Getúlio Vargas, um aumento de 15% no turismo representaria impacto de R$ 4,61 bilhões a mais na cidade.

Eventos terão selo

O calendário intenso em 2018 promete retorno significativo para o empresariado. "As marcas querem estar no Rio, somos a vitrine do Brasil. Quem investe nos eventos e coloca suas marcas na rua tem resultados fantásticos. O turismo não é só mais um segmento, não é só complementar, é prioritário. A cidade precisa respirar e viver do turismo, passar a ser uma grande festa, mas com um projeto amplo, sério e com mensuração de resultados", pontuou Alves.

Além da programação já prevista no cronograma a começar pelo tradicional Réveillon, que será reformulado com mais dias de festa em várias áreas da cidade, outros eventos serão selecionados pelo Ministério da Cultura para ganhar o selo do Rio de Janeiro a Janeiro.

"As propostas serão estudadas pela Fundação Getúlio Vargas por um índice chamado ROIT, que calcula o retorno sobre os investimentos em turismo e eventos. Os que comprovarem bons resultados econômicos e sociais para a cidade serão fomentados", explicou Marcelo Alves. Entre 16 de novembro a 15 de dezembro um novo período de inscrições será aberto pelo Ministério da Cultura para chancelar mais eventos para o próximo ano.

Como parte da meta audaciosa do programa, está a geração de empregos. Em 2018 serão abertas 170 mil novas vagas durante os eventos. O investimento federal de R$ 200 milhões está garantido, sendo R$ 150 milhões para patrocínios e leis de incentivo à cultura e ao esporte, e o restante, R$ 50 milhões, para propaganda no Brasil e exterior.

Festa para os 145 anos de Vila Isabel

No esquenta dos tamborins para o super ano de eventos na cidade, a Prefeitura do Rio vai promover nesse final de semana, uma grande festa em homenagem aos 145 anos do bairro de Vila Isabel. E como não poderia deixar de ser, no reduto da boemia suburbana, o evento será regado a muito samba, com direito a bateria da Vila Isabel, o Cordão do Bola Preta e o sambista Arlindinho.

O Cordão do Bola Preta é uma das grandes atrações do evento Gabriel Monteiro / RioTur

Além das apresentações, a festa terá uma programação para todas as idades com atividades de Tai Chi Chuan, dança do Polo de Desenvolvimento Cultural do Andaraí, Coral Cantando AAVIda. Serviços sociais e de saúde, como aferição da pressão arterial e exame sanguíneo, também estarão disponíveis. O evento será no sábado e domingo, das 10h às 22h, na Avenida Boulevard 28 de Setembro, entre as ruas Duque de Caxias até a Rua Souza Franco.

Um rio versátil, que vai do samba ao jazz

Na lista de eventos gratuitos, o que não falta é opção em 2018. Em janeiro, o 'Samba nota 1.000' reunirá baterias de escolas de samba do Grupo Especial: seis vão sair do Leme e outras seis do Forte de Copacabana. No mesmo mês, o 'Luau do Rio' promete agitar as praias durante os finais de semana.

Em abril, no Boulevard Olímpico, terá o 'Rio Montreux Jazz Festival' com grandes nomes do jazz internacional. De abril a setembro, um festival de gastronomia e música de rua, o 'Alô Alô Rio' vai movimentar as praças das zonas Sul, Norte e Barra. Na Lagoa, em julho, o 'Rio Pirofestival' trará uma competição internacional de fogos, com expectativa de 200 mil pessoas. No mês seguinte, a cidade volta a ser palco do Carnaval com o 'De outros carnavais' na Sapucaí. E em outubro, o Rio vira a capital do surf com diversos eventos culturais e gastronômicos.

Capacidade ampliada

O parque hoteleiro carioca será um dos grandes beneficiados pelo calendário 2018. O Rio já conta com cerca de 61 mil quartos e leitos em estabelecimentos de hospedagem, marca atingida após um crescimento de 15% ao longo de cinco anos, para atender, principalmente, aos grandes eventos como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos.

Com a ampliação da rede, a taxa de ocupação ficou na média de 56% ao longo do ano de 2016, mas em agosto, durante a Olimpíada, chegou a 76%. Por isso, o aumento de 20% no turismo esperado para a programação do Rio de Janeiro a Janeiro será fundamental para manter abertas as portas dos 855 estabelecimentos do ramo que hoje existem na cidade.

Nos eventos mais longos, o setor hoteleiro consegue lucrar ainda mais, pois a tendência é que o hóspede fique por mais tempo na cidade. A exemplo dos Jogos Olímpicos em que a permanência média foi de 8 dias, contra 3,5 dias no restante do ano, o Réveillon prolongado promete repetir esse fenômeno.

Reportagem da estagiária Nadedja Calado, sob supervisão de Angélica Fernandes

Últimas de _legado_Notícia