Torquato pede arrego

Por O Dia

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, mordeu a língua após a repercussão negativa de seus comentários sobre a Polícia Militar do Rio. Numa mensagem de WhatsApp carinhosa para o amigo e governador Luiz Fernando Pezão, Torquato não pediu desculpas, mas indicou que pegou pesado. Disse que passou o dia "apagando incêndios" e tenta "deixar claro que minha análise é pessoal e não crítica do governo federal". Citou que se baseou em "fatos fartamente publicados ao longo de largo tempo na mídia carioca e nacional" e que apenas revisitou "a sociologia do tema". O ministro ainda garantiu a continuidade do apoio federal ao Estado do Rio no combate à violência.

Reencontro

Pezão e Torquato articulam agenda no Rio para dar um ponto final na polêmica. Não há confirmação ainda se o comando da PM vai participar.

Conterrâneos

Torquato e Pezão são praticamente conterrâneos de Piraí, onde nasceu a mãe do ministro e de onde vem o governador, ex-prefeito da cidade.

Manobra

Seis servidores do Tesouro tentaram receber da União R$ 801 mil,cada, retroativos da Retribuição Adicional Variável. Queriam oito vezes mais o que foi pago. A AGU barrou.

Missão Bonn

Com o caixa apertado, sem novas autorizações para o Bolsa Verde (já alertamos aqui em primeira mão) e os brigadistas sofrendo com poucos homens para apagar incêndio na Chapada dos Veadeiros, o Ministério do Meio Ambiente abriu o cofre. Levará nada menos que 29 servidores de assessores ao ministro Zequinha Sarney para Bonn, na Alemanha, onde acontece a COP23, sobre o clima, de 6 a 17 de novembro.

É festa

O ministro terá assessor só para cuidar da sua agenda e tem gente indo uma semana antes. O total em diárias para cada servidor no período será de (acredite) R$ 17 mil (mas depois a assessoria recuou e informou que o custo depende do cargo de cada servidor). Em 2015, na COP21, em Paris, o Ministério levou 12 pessoas.

Explicação

O Ministério informou que 'o Brasil deixou de participar apenas das negociações diplomáticas e passou a protagonizar entre espaços com maior destaque da Conferência'; que 'foram realizados mais de 60 eventos, de entidades dos mais diversos setores', 'daí a necessidade de uma quantidade maior de servidores'.

Fogo amigo

As críticas ao ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB-RS), vêm também de dentro do Governo. Fabiana Severo, vice-presidente Conselho Nacional de Direitos Humanos, o acusa de "ter ignorado a sociedade" ao editar a portaria - suspensa pelo STF - que flexibiliza regras de combate ao trabalho escravo. O ministro não comentou.

Mais lenha

O procurador do Trabalho Tiago Muniz Cavalcanti engrossa as críticas e cita dados para embasar o que chama de "retrocesso": "O número de resgates de pessoas em situação de trabalho escravo caiu de 680, em 2016, para 110, em 2017".

Tapa da Justiça

Pesquisa da Unicap de Pernambuco, em sete cidades brasileiras, revelou que mulheres vítimas de violência doméstica sentem-se frustradas com a Justiça. O levantamento mostrou o perfil dos juízes que trabalham com os casos. Dos 24 magistrados entrevistados, apenas 4 tinham algum tipo de capacitação na área.

Aterrissou

Mais de 500 dos 750 co-pilotos da GOL assinaram abaixo-assinado no qual reivindicam reajuste salarial dos atuais 50% para pelo menos 70% dos vencimentos pagos aos comandantes da empresa aérea. O documento será entregue à direção da companhia.

Do hangar

Em reunião com os sindicalistas em outubro, a direção da GOL se comprometeu a estudar a demanda, mas adiantou que tem dificuldades para mexer em seu custo fixo.

Comentários