Por thiago.antunes
Brasília - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou ser favorável à proibição do uso de aditivos em cigarros. A prática de adicionar substâncias que conferem sabor e aroma ao produto foi proibida pela Anvisa em 2012, mas nunca entrou em vigor.
Liminar concedida há três anos pela ministra do Supremo Rosa Weber suspendeu os efeitos da resolução e até hoje não foi julgada.
Publicidade
O uso de aditivos é apontado por especialistas na luta antitabagista como poderosa estratégia para se incentivar a experimentação de cigarros, sobretudo entre o público jovem. Barros citou o argumento como um dos fundamentos da sua defesa em favor da resolução. “Não é bom para a saúde pública”, resumiu o ministro. Ele lembrou que cerca de 80% dos fumantes começam a fumar antes dos 18 anos.