PGR pede que Supremo adie julgamento de planos econômicos

Procurador-geral, Rodrigo Janot recomenda novo parecer sobre os impactos causados pela decisão do STF

Por O Dia

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu nesta terça-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) que seja adiado o julgamento das ações sobre perdas de rendimento de cadernetas de poupança, por causa de planos econômicos das décadas de 1980 e 1990, previsto para esta quarta-feira. Janot pede que o julgamento seja adiado para proferir novo parecer sobre os impactos econômicos causados pela decisão do Supremo.

Procurador Geral da República, Rodrigo Janot afirma ser recomendável melhor análise da questão pela PGRWilson Dias / Agencia Brasil

“Embora ciente da expectativa a envolver a definição da matéria pela Suprema Corte, verifica-se que a alegação dos apontados equívocos no mencionado parecer torna recomendável a melhor análise da questão pela PGR antes do julgamento definitivo”, afirmou Janot.

O julgamento foi iniciado em dezembro do ano passado com as sustentações orais do Banco Central e dos advogados dos poupadores. No entanto, os ministros decidiram adiar a conclusão, para que o assunto seja definido de uma só vez. Há 390 mil processos parados em várias instâncias do Judiciário aguardando a decisão do Supremo.

O tribunal vai definir se os bancos têm de pagar a diferença das perdas no rendimento de cadernetas de poupança, causadas pelos planos Cruzado (1986), Bresser (1988), Verão (1989), Collor 1 (1990) e Collor 2 (1991). A principal ação em julgamento é a da Confederação Nacional do Sistema Financeiro, que pede confirmação da constitucionalidade dos planos econômicos. Os ministros do STF vão analisar também as ações do Banco do Brasil, do Itaú e do Santander.

Na mesma ação, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) pede que os bancos paguem aos poupadores os prejuízos financeiros causados pelos índices de correção dos planos inflacionários. Segundo o procurador do Banco Central, Isaac Sidney Menezes Ferreira, o sistema bancário pode ter prejuízo estimado em R$ 149 bilhões, caso o Supremo decida que os bancos devem pagar a diferença.

Últimas de _legado_Notícia