Luiz Antonio Simas: Cinema de rua

Pequenos comércios agonizam diante da profusão de butiques de carnes, livrarias megastores, hortifrutis assépticos, etc.

Por O Dia

Rio - Quem quiser conhecer uma pequena história de devastação urbana pode se aventurar a fazer uma lista dos cinemas de rua das Zonas Norte e Oeste que não existem mais. Dezenas de cinemas da região viraram edifícios comerciais, farmácias ou igrejas evangélicas.

O fenômeno da morte dos cinemas de rua não é caso isoladoAgência O Dia

A lista é enorme e cito só alguns: Bandeirantes, Brasília, Ridan, Abolição (Abolição); Rosário e Mauá (Ramos); Ideal, Jovial, Bruni Piedade, Padre Nóbrega (Piedade); Caiçara (Bento Ribeiro); Paraíso (Bonsucesso); Hermida (Bangu); Brás de Pina (Brás de Pina); Palácio Campo Grande (Campo Grande); Monte Castelo (Cascadura); Real e Santa Alice (Engenho Novo); Irajá e Lamar (Irajá); Alfa, Coliseu, Beija-Flor e Madureira (Madureira); Bruni, Eskye, Paratodos (Méier); Baronesa (Praça Seca); Guaracy (Rocha Miranda); Roulien, Cine Todos os Santos (Todos os Santos); Vista Alegre (Vista Alegre); Realengo (Realengo); Lux (Marechal Hermes); Cisne (Freguesia); Santa Alice (Engenho Novo); Tijuquinha, América, Carioca, Bruni, Olinda, Metro, Art-Palácio, Britânia, Eskye Tijuca (Tijuca).

O fenômeno da morte dos cinemas de rua não é caso isolado. Daqui deste meu coreto dano de botar a boca no trombone e falar das barbearias, quitandas, açougues, botequins, livrarias, pequenos comércios e clubes de bairro — importantes elementos de sociabilidade da cidade — que agonizam diante da profusão de butiques de carnes, livrarias megastores, hortifrutis assépticos, botecos de grife e similares.

Lembro-me do meu avô me contando da impressão que teve, quando chegou do Recife para morar no Rio, ao entrar no Cine Guaracy, na Rua dos Topázios, em Rocha Miranda. Projetado por Alcides Torres da Rocha Miranda, membro da família em cujas terras o bairro surgiu, o cinema foi inaugurado em 1954 com todas as pompas.

Na época da inauguração o Guaracy foi um estouro: escadas em mármore carrara com corrimão de bronze, colunas gregas, sala de espera espelhada, mais de 1.300 lugares e o escambau. E aí me bate uma tristeza tamanha com o desencantamento da cidade: meu filho terá que se contentar com a neutralidade higiênica das salas de shoppings e suas arquiteturas uniformes. Ele apenas me ouvirá contar, como se fosse um conto da carochinha, do deslumbramento do meu avô.

Últimas de Diversão