Gustavo Lins volta com ‘Menos é Mais’

Sambista diz ter reduzido ritmo dos shows para compor mais

Por O Dia

Rio - Sambista desde os 16 anos, Gustavo Lins, 29, já passou por momentos de descrédito na carreira. Algumas vezes pela pouca idade, outras por causa da (boa) aparência, que mais lembra a de um integrante de boyband. Uma fase que ele relembra ao lançar o sétimo disco, ‘Menos É Mais’, após quatro anos sem gravar inéditas.

Gustavo Lins lança o CD 'Menos é Mais'Divulgação

“A gente não pode controlar o que pensam, né? Muita gente tinha uma impressão superficial sobre meu trabalho. Mas pude argumentar bastante”, diz o cantor. “Tive mais sim do que não na carreira, né? Pô, um cara que é contratado aos 16 anos para fazer um disco autoral... Entrei de cabeça numa necessidade de mercado, de um sambista que escrevesse músicas sobre temas adolescentes, e foi um lance abraçado pela indústria. Mas foi tudo espontâneo. Coloquei um pouco da identidade da galera da minha idade nas músicas, em relação a letras e melodias.”

O disco é o primeiro da parceria do seu selo, o Clorofila, com a Som Livre. Nos quatro anos sem gravar, Gustavo lançou singles, reorganizou a carreira, deu shows e compôs bastante — hoje segue à risca o “menos é mais” do título do disco. “Até reduzi um pouco o número de shows para poder focar na qualidade e compor mais”, conta. “Participo de certa forma da carreira de grande parte dos artistas de pagode, indiretamente. Péricles, Lucas Morato e Turma do Pagode gravaram músicas minhas recentemente.”

No disco novo, Gustavo investe em mais sambas românticos, como ‘Marrentinha’, ‘Tudo de Mim’, ‘Amor Moleque’ e ‘Me Pega Ou Me Larga’. O cantor diz que não sente a crise atual na sua carreira. “A gente não está como uma ilha no meio da crise, mas tenho a impressão de que o samba e o pagode não sentem tanto o impacto desses problemas. As pessoas não perdem a alegria, todo mundo tem uma necessidade muito grande de se divertir”, acredita Gustavo.

Últimas de Diversão