Banco Central anuncia medidas para deixar crédito mais barato para consumidor

Entre os objetivos relacionados à cidadania financeira, está aumentar o nível de educação financeira da população

Por O Dia

Rio - O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, anunciou nesta terça-feira medidas para tornar o crédito mais barato para o consumidor, aumentar a educação financeira, modernizar a legislação e tornar o sistema financeiro mais eficiente. Uma delas está relacionada ao depósito compulsório, que são recursos que os bancos são obrigados a deixar depositados no BC.

Goldfajn citou medidas já anunciadas como a do Cadastro PositivoJosé Cruz / Agencia Brasil

Segundo Goldfajn, a medida não visa reduzir ou aumentar o volume de recursos recolhidos ao BC, mas diminuir gradualmente a complexidade operacional, o que leva a custos menores. A ideia é unificar e simplificar alíquotas e prazos. Goldfajn destacou que ao reduzir os custos, o crédito fica mais barato para os clientes bancários.

Goldfajn citou medidas já anunciadas pelo governo como a do Cadastro Positivo que passa a ter inclusão automática dos consumidores. Hoje, é feita com o pedido do consumidor. Goldfajn acrescentou que informações sobre água, luz e telefone, por exemplo, serão incluídas no cadastro. “Tem gente que não tem relacionamento com sistema financeiro, mas paga contas”, disse. A ideia é que com o histórico de pagamento em dia, as instituições financeiras poderão oferecer prazos e juros melhores.

Outra ação já anunciada é de que máquinas de pagamento das lojas deverão ser compatíveis com todas as bandeiras de cartão, impedido a exclusividade. Também será permitida a diferenciação de preços entre pagamento à vista ou a prazo.

Goldfajn disse ainda que medidas relacionadas ao uso do rotativo do cartão e prazo para pagamento de lojistas serão abordadas pelo governo, em anuncio futuro. Entre os objetivos relacionadas à cidadania financeira, está aumentar o nível de educação financeira da população, por meio de parcerias com cooperativas de crédito para formação de multiplicados, por exemplo.

Últimas de Economia