'Faça as pazes com o dinheiro': Cuidar da saúde e cuidar do futuro

Mínimo que se pode dizer sobre educação financeira é que se trata de um de aprendizados necessários para 'cuidar' de bens, valores ou patrimônios

Por O Dia

Rio - As pessoas em geral não sabem o que é educação financeira; as que sabem não pensam em educação financeira; as que pensam não praticam; e as que praticam... vão bem, obrigado! A ideia de que educação financeira se resume a guardar dinheiro é tão equivocada quanto a ideia de guardar dinheiro dentro ou debaixo do colchão.

O mínimo que se pode dizer sobre educação financeira é que se trata de um conjunto de aprendizados e conhecimentos necessários para “cuidar” de bens, valores ou patrimônios. Mais uma questão de bons hábitos e práticas do que de bons gastos ou crenças. Mais uma questão de experiência do que de especialização.

Estratégia e responsabilidade 

É preciso pensar com perspectiva, e não com expectativa. É preciso estar apto para lidar com o curto prazo, analisar o médio prazo e se preparar para o longo prazo. Mas não se deve fazer isso contando com leis, regras ou normas oficiais, coisas que estão fora do nosso alcance porque dependem da vontade (política) de terceiros, quartos ou quintos. Não se pode levar uma vida inteira acreditando que o Estado vai dar conta — porque não vai (seja por incompetência, ineficiência ou indecência), não vai.

Previdência, por exemplo, é uma obrigação, mas prevenção é uma opção; planejar é opção, poupar é opção, investir é opção; gastar com cautela, estratégia, inteligência e responsabilidade é opção. Imprevidência é não compreender o passado, não aprender no presente e não empreender para o futuro.

Viver só o presente deve ser uma coisa muito legal para quem morre cedo, jovem e bonito (ou bonita). Mas é uma burrice quando se pode chegar aos 70, 80, 90 ou 100 anos de idade. Cuidar da educação financeira é como cuidar da saúde — não é recomendável pedir ajuda ou recorrer ao médico apenas depois que as “doenças” já se instalaram e já se espalharam. Cuidar da educação financeira é como cuidar do futuro — e pensar no futuro é vital porque vai ser lá que a gente vai passar o resto da vida.

*Coluna de Alex Campos

Últimas de Economia