Cockpit: A sina de um brasileiro

Massa não aceitou pedido de ajuda para companheiro de equipe

Por O Dia

Rio - Mesmo com a surpreendente e positiva recuperação da RBR, a Mercedes segue imbatível, a ponto de Hamilton e Rosberg não terem corrido no limite. Assim, o GP da Malásia tornou-se um tédio só, a ponto de o surreal diálogo da Williams com seus pilotos ter sido o destaque. Faltou bom senso mandar Massa deixar Bottas — mais rápido e com pneus melhores — passar para tentar ultrapassar Button no fim.

O brasileiro pediu respeito e não acatou a ordem. Explicou que achava que o companheiro não superaria a McLaren. Claro que não foi só isso. Depois de tudo o que passou com o “Alonso está mais rápido que você” na Alemanha, em 2010, o que considerou o pior momento na Ferrari, Massa não poderia ceder de novo, ainda mais para um novato no segundo ano de F-1. Seria desmoralizante, a confiança desapareceria e as críticas voltariam com força. O finlandês, que não atacou no início da corrida por ordem da equipe, não gostou e o clima azedou. É claro que o jogo de equipe existe, só que não faz sentido no segundo GP e por um (possível) sexto lugar.

Felipe Massa%2C da Williams%2C terminou na sétima colocaçãoEfe

ESTÁ DEVENDO

Para completar, a Williams teve outro resultado ruim. De novo sofreu com a chuva no treino (é a equipe que mais sofre), largou no meio do pelotão e o pódio ficou longe. No Bahrein, o clima não vai atrapalhar Massa e Bottas.

DUELO INTERNO PELO TÍTULO

Na primeira dobradinha da Mercedes desde 1955, Hamilton atropelou Rosberg no treino e na corrida. O inglês saiu mais forte na luta pelo título, mas ainda está 18 pontos atrás do companheiro.

MENOS 30 PONTOS

Ricciardo fez boa corrida, mas de novo a RBR acabou com sua chance de pontuar. Por ter parado no pit lane com o pneu desencaixado, o australiano ainda perderá 10 posições na largada do Bahrein.

Últimas de Esporte