Por fabio.klotz
Brasília - Jefferson Campos é ligado em 220 volts. A intensidade do armador do Brasília chama atenção. É assim que ele tem se destacado. É uma fonte de energia.
Jefferson Campos%3A vitalidade de sobra para ajudar o BrasíliaDivulgação

“Entro para colocar fogo, mudar o ritmo. Este é o meu papel. Tenho feito bem esta parte. Procuro entrar com energia. Não tem bola perdida”, diz o armador.

A vitalidade faz de Jefferson um marcador implacável: “De um tempo para cá, descobri que posso ter uma defesa diferenciada, pela condição física, biotipo. É um dos pontos mais fortes do meu jogo. É dar meu máximo na defesa que no ataque eu me viro. Quero ser o melhor defensor da temporada. É o meu objetivo”, avisa.

O principal rival pelo prêmio é justamente uma referência: Alex, do Bauru. O Brabo faturou o prêmio nas sete edições do NBB.

“Admiro muito a defesa do Alex. Ele ganha todo ano. Estou tentando. Pelo sangue nos olhos que ele me olhou, deve perceber que quero o prêmio”, brinca.
Publicidade
Jefferson Campos sabe de seu potencial defensivo. Quem sofreu foi um ídolo do armador: Nezinho.
"Para marcá-lo, tive de esquecer a condição de fã para tentar pará-lo. Ele não fez cesta quando o marquei, errou os três arremessos", conta Jefferson, que também se inspira em Fulvio, companheiro de Brasília, e Valtinho, do Paulistano.
Publicidade
Aos 24 anos, Jefferson Campos vive um momento especial na carreira: “Na primeira entrevista aqui em Brasília disse que tinha de provar que era capaz de jogar em alto nível. Tenho feito. É a minha afirmação, um grito de ‘Estou aqui.’ Eu posso.’”
Jefferson Campos tem média de 10 pontos por jogo no NBBJoão Pires / LNB / Divulgação

Transição tranquila

O Brasília tirou de letra a mudança no comando. O auxiliar Bruno Savignani foi efetivado — José Carlos Vidal voltou ao cargo de gestor.
Publicidade
“Como assistente, Bruno já era muito presente nos treinos. Cada um tem seu método, jeito de lidar. Bruno é um pouco mais rígido. O time entendeu bem a filosofia dele e tem dado certo. Foram oito vitórias nos últimos nove jogos”, avaliou Jefferson.
Quarto colocado no NBB, o Brasília se enche de confiança e otimismo para a sequência da temporada. Na visão do armador, é possível ir longe e buscar o quarto título nacional: “Já mostramos a força da nossa equipe. Vencemos a Liga Sul-Americana fora de casa, na Argentina. Não dá para dizer que nosso time é favorito, mas ele vai brigar com os ‘cachorros grandes’”, avisa.
Publicidade
O bom momento dá confiança para a primeira fase da Liga das Américas, a partir de sexta-feira, na Venezuela. O Brasília vai enfrentar o Capitanes de Arecibo, de Porto Rico, Guaros de Lara, os anfitriões, e Capitalinos de la Habana, de Cuba.
"Estamos fortes, concentrados na defesa, que sustenta nosso jogo em determinados momentos. Estamos preparados para fazer uma boa Liga das Américas", encerra Jefferson Campos.