Orgulho infantil do título do Vascão

Nascido no dia da conquista de 2003, Lucas festeja o fim do jejum no Carioca e das zoações que aturava dos amiguinhos

Por O Dia

Rio - Um mar de camisas vascaínas invadiu a cidade de Norte a Sul, no dia seguinte à conquista do Campeonato Carioca. Há 12 anos, o torcedor cruzmaltino não sentia o gostinho de comemorar um título estadual sobre os maiores rivais. Um desabafo sem fim estampado no sorriso de quem fez questão de sair às ruas com o uniforme do campeão. Para uma geração de torcedores-mirins, o fim do jejum foi um alívio.

Que o diga Lucas Minervino, 12 anos. Ele nasceu no dia 23 de março de 2003, data em que o Vasco ganhara, até então, o seu último Carioca. Ontem, o garotinho era a cara da felicidade. Cansado de ser zoado de ‘vice’ pelos amigos da Escola Municipal Jornalista Assis Chateaubriand, em Vila Isabel, Lucas, finalmente, deu o troco e agora vai cobrar a aposta que ganhou de um amigo rubro-negro.

Lucas nasceu em 2003 no último título do VascoMarcia Vieria

“Apostei R$ 5 com meu amigo Gabriel que o Vasco ganharia. Mas ele ainda não me pagou. Foi na minha casa para o churrasco e eu esqueci de pegar o dinheiro. Mas de hoje (segunda) não passa”, prometeu.

Os R$ 5 vão chegar em boa hora, após o grande desfalque que Lucas teve na mesada — nervoso, durante o clássico, quebrou pratos e copos, em casa, após o gol de Rafael Silva.

Lucas admite que, quando assistia ao jogo de domingo, estava com medo. Tanto que tentou dormir na hora do clássico, mas a tensão não deixou. Inquieto, levantou da cama justamente na hora do gol.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

“Tinha medo de que o Vasco perdesse. Quando o Rafael Silva marcou o gol, fiquei tão feliz que comecei a quebrar os pratos e os copos de alegria”, diz.

Ao ouvir o barulho e chegar à cozinha, cheia de cacos de vidro espalhados pelo chão, o tio de Lucas não perdeu a deixa.

“Ele brincou comigo e perguntou se eu tinha algum parente grego: ‘Está imitando eles, né? Eles comemoram as coisas quebrando pratos’. Mas eu não sei nada dos gregos, tio”, confessou o menino.

Se o tio riu da estripulia, a mãe de Lucas, Maria Lúcia, não viu nenhuma graça na arte.
“Ela não me xingou, nem brigou comigo, mas me olhou sério e disse que ia descontar da minha mesada. Na verdade, já tirou”, entrega. Porém, a julgar pela felicidade de Lucas, os R$ 20 não farão falta. A alegria vale mais.

Torcedores do Vasco fizeram festaFábio Gonçalves

Alegria nas ruas

Um dia após a conquista do 23º título do Campeonato Carioca, muitos torcedores do Vasco fizeram a festa pelas ruas do Rio. Em todos os cantos da cidade, a camisa e a faixa de campeão estadual 2015 eram exibidos com muito orgulho. “Acabou essa história de ser vice! O time agora é campeão. Soltamos um grito que estava engasgado há doze anos. Viva o Vasco!”, vibrou o aposentado Carlos Alberto Régis, de 70 anos.

Eurico expulsa convidado em festa do título

A festa do título, em uma churrascaria da Barra da Tijuca, teve momento de mal-estar. Pouco antes do fim, o presidente Eurico Miranda ficou irritado com um dos convidados, que teria puxado o grito de ‘Casaca’ de forma não tradicional. Houve discussão e o dirigente ordenou que os seguranças retirassem a família do convidado do local.

Eurico ao lado da taça do CariocaMárcio Mercante

Nesta terça, o elenco campeão carioca volta ao trabalho. Até sexta-feira, os primeiros reforços para a disputa do Brasileirão serão apresentados: o volante Diguinho e o lateral-esquerdo Julio Cesare. Já o atacante Eder Luis, que retorna de empréstimo a um clube árabe, está se recuperando de grave lesão no joelho.