Para driblar a crise, empresas abrem mais vagas de estágio

Oportunidades profissionais aumentam para jovens no estado. Para período entre julho e setembro estão abertas duas mil vagas, alta de 40,84% em relação a 2014

Por O Dia

Rio - Enquanto a taxa de desemprego no país chegou a 6,9% em julho, — a maior desde 2010 —, o número de vagas para estágios cresceu este ano. Segundo o Centro de Integração Empresa-Escola do Rio (CIEE), foram abertas duas mil oportunidades para o trimestre de julho, agosto e setembro. Isso representa alta de 40,84% no estado, em comparação com o mesmo período de 2014 (1.420).

Thays conseguiu vaga na ANP. E apesar da efetivação não ser uma garantia%2C ela acha a experiência válidaDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

O crescimento tem sido visto como uma recuperação da queda de 12% sofrida no número de ofertas do primeiro trimestre do ano. “Acho que os empresários estão tentando equilibrar o que vinham fazendo em 2014”, afirma Paulo Pimenta, superintendente do CIEE do Rio.

Os números também foram bem altos em todo o território nacional. Houve uma alta de 40,78% nas contratações entre janeiro e junho de 2015 (48.855 vagas) frente ao mesmo período de 2014 (34.703), segundo a Catho. Luis Testa, diretor-responsável de Estratégia da consultoria de RH, elabora duas hipóteses para o atual cenário.

“O crescimento se dá porque os estagiários são uma mão-de-obra qualificada com encargos trabalhistas menores; ou o aumento é decorrente da recuperação de uma queda que houve após a Lei do Estágio, em setembro de 2008, que deixou as regras de contratação mais rígidas. A primeira hipótese é mais forte, mas não há como generalizar todas as empresas”, avalia.

Pimenta também não acredita que a mão-de-obra qualificada dos empregados demitidos com a crise esteja sendo substituída por estagiários. Segundo ele, desde que a nova legislação para a função foi regulamentada, as empresas estão mudando a mentalidade sobre o papel do estudante dentro da companhia.

“Não é só colocar o estagiário para trabalhar. Os empregadores agora têm que declarar quem é o supervisor que o acompanha e comprovar que ele exerceu determinadas atividades e que têm que ser progressivas no ano seguinte”, explica.

A Apolo Tubos, indústria metalúrgica de tubos de aço, já tem 14 estagiários trabalhando no momento e ainda está com mais quatro vagas abertas no CIEE. Aline Freitas, gerente de Recursos Humanos, explica o motivo pelo qual a empresa gosta de contratar esse tipo de profissional para seus quadros.

“Os estagiários vêm com ideias inovadoras. Os que contratamos já fizeram até estudo sobre como otimizar compra de produtos químicos que usamos no processo de produção. E a ideia deles foi implementada”, conta.

Os estudantes também se dizem animados com a oferta de tantas oportunidades. “Consegui uma vaga na Agência Nacional de Petróleo com duração mínima de seis meses. E apesar da efetivação não ser uma garantia, a experiência é válida”, diz Thays de Freitas, 23 anos, que está na Faculdade de Engenharia Química.

Diane Lisboa, 23 anos, aluna de Engenharia Civil, também conta estar feliz por renovar o seu contrato de estágio. “Lá aprendemos muito e não cumprimos além do que nos cabe como estagiários. A expectativa é grande para minha contratação quando terminar esse período. A empresa tem muitos funcionários que começaram no estágio”, afirma.

Programa Jovens Aprendizes também cresce

O número de empresas que contratam por meio do Jovens Aprendizes, programa que integra pessoas de 18 a 24 anos de idade em empresas de vários setores, também vem crescendo. Segundo o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), para os meses de julho, agosto e setembro, há 8.096 vagas abertas, aumento de 10% em relação a 2014.

Os amigos Rodrigo Brito, 20 anos, Jean Salles, 19, e Marcos Antônio Sousa, 21, participaram da mesma turma do programa. Agora cada um foi contratado por uma empresa diferente.

“Acho que vai ser muito bom, o restaurante que fui selecionado foi bastante receptivo e positivo quanto à futura efetivação e, com a aproximação das Olimpíadas, as coisas podem melhorar para ambos”, diz Rodrigo, que está em sua primeira experiência profissional.

Jean, no entanto, está animado com um possível aumento de remuneração. “Estava na mesma empresa há dez meses como estagiário de Nível Médio, e agora tive a oportunidade de migrar para o Jovem Aprendiz, que é um passo importante na carreira dentro da empresa. Vou participar de forma mais ativa”, afirma.

Grandes, médias e pequenas empresas oferecem chances a interessados

Entre as duas mil vagas abertas no Centro de Integração Empresa-Escola no Rio há oportunidades em diversas carreiras, como Administração, Informática, Contabilidade e Direito. Quem estiver interessado em concorrer pode se inscrever pelo site www.cieerj.org.br .

Das oportunidades oferecidas, 16% são para grandes empresas; 28% para médias; e 56% para pequenas. “Aos poucos, as pequenas também estão se vinculando mais ao estágio. Aquele empresário que tinha ideia que o estagiário era mão-de-obra barata está vendo que a coisa é séria”, afirma Paulo Pimenta, superintendente do CIEE do Rio, sobre a Lei do Estágio, de 2008.

Também há 200 vagas abertas para o Programa Aprendiz Legal que, além de remuneração, garante dois anos de carteira assinada. O candidato deve ter até 22 anos de idade, estar cursando ou já ter concluído o Ensino Médio.

Os que quiserem participar devem levar carteira de trabalho e comprovante de escolaridade para a sede do CIEE/Rio, que fica na Rua da Constituição 65, no Centro do Rio.

TRAINEE

Além das vagas de estágios, grandes empresas também abriram oportunidades em programas para trainees. A Votorantim, por exemplo, oferece 36 vagas para recém-formados que vão atuar nas diversas companhias da holding.

O processo de seleção será dividido em três etapas, todas eliminatórias. Na primeira, on-line, os currículos são analisados, e candidatos fazem testes de lógica e inglês. Na segunda, o jovem passa uma dinâmica de grupo. No final, os selecionados restantes participam de um painel de discussões e entrevistas com executivos da companhia. Os escolhidos começarão em janeiro de 2016. O programa tem duração de 14 meses. Os interessados podem se inscrever até 31 de agosto, no sitewww.produzindofuturos.com.

A Ambev também está com chances abertas para um programa de trainee de dez meses. Os selecionados primeiro passarão por unidades fabris da empresa e pelos centros de distribuição direta. Na segunda metade do programa, os profissionais escolhem uma área de interesse na qual recebem orientação dirigida e ainda são treinados em curso intensivo no exterior. As inscrições vão até dia 7 de setembro no site www.queroserambev.com.br.

Últimas de _legado_Economia