Alimento vencido: risco para a saúde

Cólica, diarreia, vômito, febre e dor de cabeça são alguns dos males

Por O Dia

Rio - O consumo de alimentos fora da validade ou mal conservados pode ter consequências sérias e, dependendo do agente causador da intoxicação, levar à morte. Em meio aos riscos, a segurança alimentar voltou a ser questionada após o início da Operação Ratatouille, do Procon-RJ, que autuou 14 estabelecimentos com irregularidades desde o início do mês. Um dos casos mais graves foi no restaurante Celeiro, no Leblon, onde foram recolhidos 11 kg de carne estragada.

Clique na imagem para ampliarArte O Dia

As reações biológicas nem sempre são graves, mas alguns casos podem evoluir e causar cólica, diarreia, vômito, febre e dor de cabeça. Por conta da baixa imunidade, pessoas com doenças crônicas são mais vulneráveis a estes sintomas. “Quando a intoxicação pega alguém com diabetes ou pressão alta, por exemplo, é bem mais grave”, explica o gastroenterologista Marcos Marcondes, que também alertou para o risco às gestantes. “Dependendo do grau da intoxicação, pode até afetar o bebê”.

Procure logo um médico

A orientação é procurar um médico logo que os sintomas surgirem. Se não for possível, é imprescindível se hidratar e ficar em repouso. A única ressalva é não forçar o vômito. “Se for espontâneo, tudo bem. Mas provocar pode causar complicações pulmonares”, orienta Marcos.

De acordo com o profissional, também é preciso estar atento aos alimentos consumidos em casa. Produtos embalados a vácuo são perigosos por conta da alta concentração de conservantes. Bactérias desenvolvidas nestas substâncias podem causar botulismo, tipo raro de infecção, mas de alta letalidade.

Por mais que o alimento pareça inalterado, o prazo de validade também precisa ser levado em consideração. “Comidas que não aparentem estar estragadas podem causar o mesmo dano”, salienta a médica Jacqueline Renault, da Associação Brasileira de Nutrologia. A especialista ressalta ainda que o armazenamento na geladeira deve ser cuidadoso por conta da variação de temperatura, principalmente na porta e em prateleiras inferiores, e negou que alimentos congelados não estragam. “O ritmo de crescimento das bactérias cai, mas elas não vão deixar de existir. Uma hora vai estragar”, diz.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência