Avião da AirAsia com 162 a bordo some entre a Indonésia e Cingapura

As buscas foram suspensas devido ao cair da noite e serão retomadas na segunda-feira pela manhã

Por O Dia

Bangcoc - Foram suspensas as buscas pelo avião da AirAsia desaparecido neste domingo (28, noite de sábado no Brasil), disse um funcionário da agência de aviação da Indonésia. As atividades foram suspensas devido ao cair da noite e serão retomadas na segunda-feira pela manhã (29).

Para a AP, Achmad Toha afirmou que os aviões envolvidos na busca retornaram a sua base, mas que alguns navios permanecem na área onde o avião perdeu contato com o controle de tráfego aéreo. A busca aérea será retomada às 6h da manhã segunda-feira, 21h de domingo no Brasil (horário de Brasília).

"Interrompemos as buscas quando começou a anoitecer. A meteorologia também não estava favorável. As buscas serão retomadas amanhã [segunda-feira] cedo, se o tempo permitir", declarou um porta-voz do Ministério dos Transportes da Indonésia.

O avião que realizava o voo 8501 desapareceu em território da Indonésia com 162 pessoas a bordo provavelmente caiu no mar próximo à ilha de Belitung, entre Sumatra e Bornéu, afirmaram fontes da Agência Nacional de Busca e Resgate da Indonésia. Pouco antes de sumir, o piloto solicitou à torre de controle uma mudança de rumo devido ao mau tempo.

Avião da AirAsia desapareceu neste domingo depois de decolar da Indonésia para CingapuraEfe

A aeronave da companhia aérea de baixo custo malaia AirAsia, voo QZ-8501, decolou de Surabaia, em Java, às 5h20 (hora local) e deveria chegar em Cingapura às 8h30 (local, 22h30 em Brasília). A aeronave transportava 155 passageiros, incluindo 16 crianças e um bebê, e uma tripulação de dois pilotos, um mecânico e quatro comissários de bordo. A AirAsia informou que os passageiros eram 156 indonésios, três coreanos, um francês, um malaio e um cingapuriano.

Um funcionário da agência disse ao jornal indonésio 'Jakarta Post' que acreditam que o Airbus 320-200 caiu no mar a 03.22.46 latitude sul e 108.50.07 longitude leste. Esse ponto está entre 148 e 185 quilômetros da ilha de Balitung. Embora circulem na imprensa indonésia informações de que pelo menos um objeto que poderia ser um destroço da aeronave tenha sido localizado, as autoridades do país não confirmaram nem desmentiram a informação.

No aeroporto de Surabaya%2C na Indonésia%2C parentes de passageiros do voo 8501 choram aguardando notícias da aeronave desaparecidaEfe

Um porta-voz do Ministério de Transporte da Indonésia indicou que o piloto do avião, que voava a cerca de 32 mil pés de altura (9,76 quilômetros), pediu permissão para subir até os 38 mil (11,59 quilômetros) às 6h12.

Um Boeing da Força Aérea da Indonésia, três helicópteros e seis navios participam das operações de rastreamento, e Cingapura ajuda com outro avião, um C130. Contudo, o mau tempo tem dificultado as operações de busca, realizadas em uma área de quase 200 quilômetros quadrados. A visibilidade no local, segundo a Marinha, varia entre dois e 5 quilômetros.

Buscas foram realizadas também na Ilha de Bintan na IndonésiaEfe

Piloto relatou mau tempo

O Ministério de Transporte da Indonésia e a AirAsia confirmaram que o piloto do avião solicitou à torre de controle uma mudança de rumo devido ao mau tempo.

Um porta-voz do ministério disse que o piloto do Airbus, que voava cerca de 32 mil pés de altura (9,76 quilômetros), pediu permissão para subir até os 38 mil (11,59 quilômetros), segundo o diário local "Jakarta Globe".

O porta-voz disse que esta solicitação aconteceu às 6h12 hora local, menos de uma hora depois de decolar.

Familiares dos passageiros do voo QZ8501 da AirAsia aguardam notícias no Aeroporto Internacional de Juanda%2C em SurabayaReuters

Parentes de passageiros de voo desaparecido têm noite em claro na Indonésia

Mais de 100 parentes dos passageiros do voo QZ8501 estão presentes em um centro de gerenciamento de crise temporário no aeroporto de Surabaya, em Java Oriental, na Indonésia, para esperarem por notícias.

O chefe da AirAsia na Malásia, Tony Fernandes, estava no aeroporto tentando confortar as famílias, mas a companhia aérea não podia oferecer muita coisa além de comida, um hotel e garantias de que todo o possível estava sendo feito para encontrar o avião perdido.

"Nós ganhamos hospedagem da AirAsia, mas não consegui descansar com isso na cabeça", disse um homem que se identificou como Haryanto e tem quatro parentes a bordo. Ele ainda afirmou que estava há dez horas esperando no aeroporto.

Fernandes, que também é presidente do conselho de um clube do Campeonato Inglês e foi executivo da Warner Music, recebeu os parentes em um centro de gerenciamento de crise improvisado em escritórios próximos ao terminal.

"As autoridades indonésias estão fazendo o possível para a busca e o resgate. É melhor não especular neste momento", disse.

"Nossa primeira prioridade é cuidar das famílias."

Os parentes vagam incansavelmente pelo aeroporto, onde um painel lista o nome dos passageiros do voo desaparecido. A AirAsia não está acostumada a gerenciamentos de crise, não tendo registrado um só problema desde que começou a operar em 2002.

Mensagem do Papa Francisco

O papa Francisco enviou neste domingo uma mensagem de apoio às famílias e às vítimas das tragédias do avião da AirAsia, que desapareceu hoje no mar da Indonésia com 162 pessoas a bordo, e do "ferry" italiano que sofreu um incêndio entre Grécia e Itália com 467 ocupantes.

"Meu pensamento neste momento vai para os passageiros do avião malaio que desapareceu enquanto viajava entre a Indonésia e Cingapura, e também aos passageiros que estavam a bordo do barco (que se incendiou) no mar Adriático", afirmou o pontífice argentino ao término da reza do Ângelus dominical.

Além disso, da sacada do Palácio Apostólico vaticano, Francisco mostrou sua "solidariedade e afeto aos familiares e àqueles que vivem com sofrimento estes incidentes, e às pessoas que trabalham no salvamento".

Avião desaparecido em março

Um avião da companhia aérea Malaysia Airlines com 239 pessoas a bordo que viajava de Kuala Lumpur para Pequim desapareceu em 8 de março de 2014 e não se voltou a saber dele.

Os investigadores acreditam que o voo MH370 foi desviado de seu rumo e acabou caindo por falta de combustível em um lugar remoto do sul do oceano Pacífico.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência