Testemunha diz que corpo de Cláudia foi abandonado por 30 minutos pelos PMs

Segundo depoimento de vizinha, policiais seriam os autores dos disparos que mataram servente

Por O Dia

A servente Cláudia Silva FerreiraReprodução

Rio - "O corpo da Cláudia ficou abandonado na rua por mais de meia hora.” É com este desabafo que a única testemunha presente no momento em que Cláudia Silva Ferreira, de 38 anos, foi baleada, no último domingo, afirma, com riqueza de detalhes, que os policiais militares foram os responsáveis pela morte da servente. Segundo a testemunha, os PMs estavam a menos de três metros de distância de Cláudia quando fizeram os disparos.

“Os policiais dobraram a esquina e deram de frente com ela. Um deles apontou a arma (ela diz ser um fuzil) e atirou umas seis vezes”, relembra a testemunha, que é vizinha de Cláudia no Morro da Congonha. No dia do crime, ela teria visto os dois policiais descendo da mata antes de os tiros serem disparados. De acordo com a moradora, os PMs estavam andando tranquilamente até se depararem com Cláudia. “Eu estava logo atrás deles e vi tudo. Acho que eles pensaram que a Cláudia fosse bandido”, conta a testemunha, quena sexta, prestou depoimento na 29ª DP (Madureira).

Após os tiros, a vizinha da servente voltou correndo para casa com medo. Dez minutos depois, ela saiu novamente e viu que Cláudia ainda estava lá. “Ela já estava morta. Fiquei apavorada e chamei os moradores. Trinta minutos depois, os mesmos policiais voltaram na maior calma”, explica a testemunha, que desmente outra versão dos PMs: a de que Cláudia foi no porta-malas porque não dava para abrir a porta traseira, já que a viatura estava em um beco. “Beco? Era uma rua normal, de cinco metros de largura”, acrescenta. Quando a viatura passou pela Avenida Intendente Magalhães, o corpo da servente ficou pendurado na mala e foi arrastado por 350 metros. Na sexta, os três policiais foram soltos, por uma decisão da Justiça.

Hoje, moradores da Congonha farão uma homenagem à servente na festa de aniversário dos filhos gêmeos dela, que completam 10 anos. “Faremos um minuto de silêncio e uma oração”, detalha o viúvo de Cláudia, Alexandre Fernandes.

Últimas de Rio De Janeiro