Dom Orani será chamado para prestar depoimento sobre assalto em Quintino

Casal que acompanhava cardeal do Rio durante assalto na noite deste domingo também será convocado para depor

Por O Dia

Rio - O cardeal arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, e o casal de amigos italianos que o acompanhava durante o assalto da noite deste domingo, em Quintino, Zona Norte do Rio, serão chamados pela polícia para ajudar na identificação dos criminosos.

Abordado por quatro homens armados no Viaduto de Quintino, próximo da Rua Goiás, Dom Orani e o casal foram deixados cerca de 200 metros do local onde ocorreu o crime. Seu motorista, cuja identificação não foi divulgada, foi levado pelos bandidos.

Dom Orani retornava de um evento religioso na Paróquia Nossa Senhora da Paz, na Serrrinha, em Campo Grande, onde celebrou uma missa em homenagem à Nossa Senhora Aparecida, neste domingo, quando foi assaltado. Em depoimento ainda na noite deste domingo na 24ª DP (Piedade), o cardeal não conseguiu descrever como eram os assaltantes para que fosse confeccionado um retrato falado. Agora, agentes da 28ª DP (Campinho), que assumiu o curso das investigações, buscam outras testemunhas e câmeras de seguranças da região para tentar identificar os autores do crime.

Dom Orani foi rendido por bandidos armados em Quintino. É o segundo assalto em menos de um anoCarlos Moraes / Agência O Dia

A Arquidiocese do Rio, em nota publicada no site da instituição no final da manhã desta segunda-feira, ressaltou que "a preocupação primeira de Dom Orani foi com a integridade física de todos os ocupantes do veículo". "Tal episódio só demonstra o quanto o Cardeal não está distante da realidade de seu povo. Ele é o bom pastor que 'dá a vida por suas ovelhas', aquele que 'dá a vida guiando o povo cristão rumo à salvação' e não só 'tem o cheiro das suas ovelhas', como também vive as mesmas realidades e experiências que seu rebanho", disse a arquidiocese, no documento.

O assalto envolvendo o líder da Igreja Católica no Rio de Janeiro ocorreu por volta das 22h40 deste domingo, no Viaduto de Quintino, Zona Norte da cidade, na altura da Rua Goiás. Esta é a segunda vez que o arcebispo é roubado. Neste último caso, após descer do carro com seus amigos, os criminosos levaram o veículo, um Kia Sorento, junto com os pertences de Dom Orani. O cardeal não ficou ferido. A polícia procura o carro, que possui sistema de rastreamento, mas ainda não há nenhum suspeito.

RELEMBRE: Arcebispo do Rio, Dom Orani é assaltado em Santa Teresa

No último ano, Dom Orani entrou para as estatísticas de vítimas de criminosos no Rio. Em setembro do ano passado, ele teve seus pertences roubados em um assalto à mão armada em Santa Teresa, quando se deslocava do Sumaré em direção à Glória.

Na ocasião, o cardeal estava acompanhado por um motorista da arquidiocese, um fotógrafo e um seminarista. Ninguém ficou ferido. Ele chegou a ser reconhecido pelos bandidos, que ainda assim não desistiram do roubo.

Confira na íntegra a nota da Arquidiocese do Rio:

"Quem é capaz de dar a vida pelo rebanho? A resposta a esse questionamento se encontra no Evangelho de São João, capítulo 10, versículos de 11 a 15: o bom pastor. Só o bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O Bom Pastor, frisou São João Paulo II, no exercício de seu ministério, “dá a vida guiando o povo cristão rumo à salvação”. Deve imitar a Cristo, tornando-se Sua testemunha corajosa, ministro incansável do Seu Evangelho. Já o Papa Francisco aponta outra característica marcante do bom pastor e necessária para a Igreja: “que tenha o cheiro das ovelhas”.

Inserido dentro desses contextos é que desde 19 de abril de 2009 como Pastor na Cidade Maravilhosa, Dom Orani tem levado à frente o que afirmou em seu discurso de posse — “Venho como cristão, discípulo de Jesus Cristo, escolhido como apóstolo para anunciar o Reino de Deus a todos” —, sendo o Pai que busca conhecer e evangelizar todas as paróquias e realidades desta Metrópole. Simples e verdadeiramente preocupado com o bem de todos, o Cardeal mostra-se sempre disponível e aberto, além de ser de um missionário incansável, sempre empenhado na implantação do Reino de Deus.

Infelizmente, horas depois de iniciar a missão popular por todos os cantos da cidade, como gesto concreto do Ano da Esperança, em uma celebração eucarística que reuniu milhares de fiéis e contou com a presença da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida, trazida de seu Santuário Nacional, em Aparecida (SP), o Cardeal foi assaltado neste domingo, 5 de julho, no Viaduto de Quintino, Zona Norte do Rio, enquanto retornava para casa, após reunir-se com os fiéis da Paróquia Nossa Senhora da Paz, na Serrinha, em Campo Grande, para celebrar uma Missa em homenagear a Padroeira.

Dentro do veículo, além do motorista e do Cardeal, estava também um casal de amigos italianos. Quatro bandidos fortemente armados interceptaram o veículo, anunciaram o assalto e levaram o motorista como refém. Alguns metros depois ele foi liberado, mas os bandidos seguiram com o carro, além dos pertences pessoais de todos os ocupantes. Apesar do susto, ninguém se feriu e todos passam bem.

Mas é importante ressaltar que a preocupação primeira de Dom Orani foi com a integridade física de todos os ocupantes do veículo e tal episódio só demonstra o quanto o Cardeal não está distante da realidade de seu povo. Ele é o bom pastor que “dá a vida por suas ovelhas”, aquele que “dá a vida guiando o povo cristão rumo à salvação” e não só “tem o cheiro das suas ovelhas”, como também vive as mesmas realidades e experiências que seu rebanho.

Sua esperança vem e está em Deus, como afirma em seu artigo “Ano da Esperança”, publicado no Portal da Arquidiocese: “O Papa Francisco disse, em 2013, que: “A esperança é um dom, é um presente do Espírito Santo”. Paulo dirá que é um dom que ‘jamais decepciona’. Por quê? Porque é um dom que o Espírito Santo nos deu. E Paulo nos diz que a esperança tem um nome: Jesus. Renovemos a nossa esperança em Jesus. Ele refaz tudo e nos anima a anunciá-Lo neste mundo carente de paz e de justiça!”.

Últimas de Rio De Janeiro