Duas pessoas são detidas após tumulto na abertura não oficial do Carnaval

Foliões acusam guardas municipais de truculência em evento de blocos no Centro. GM diz que agentes foram atacados

Por O Dia

Rio - Duas pessoas foram detidas após a abertura não oficial do Carnaval de rua do Rio terminar de forma violenta. Foliões acusam guardas municipais de truculência durante a abordagem a um ambulante que estaria irregular. Na confusão, algumas pessoas presentes foram feridas com balas de borracha. Uma viatura da corporação foi avariada. 

De acordo com foliões que presenciaram a confusão, agentes da Guarda agiram com violência excessiva com um ambulante. Eles usaram bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo após os foliões questionarem a ação. Algumas pessoas presentes reagiram jogando pedras e garrafas de água e cerveja.

LEIA MAIS: Abertura não oficial do Carnaval acaba em confronto com a GM

Folião mostra ferimentos diante dos guardas na CinelândiaJoão Laet / Agência O Dia

Segundo a GM-Rio, os agentes acompanharam os foliões desde o início e, quando foram impedir a venda irregular de um ambulante, foram hostilizados por algumas pessoas presentes e garrafas foram atiradas. Ainda de acordo com a corporação, somente a partir deste momento os guardas agiram para dispersar o grupo que os agrediu.

A jornalista Karina Maia foi uma das agredidas com bombas de gás. “O Boi Tolo saiu da Praça 15 e seguiu para a Cinelândia normalmente. A Guarda já chegou com truculência. Foi surreal. Muita correria. Só não fui agredida com golpe de cassetete porque estava na parte alta da escadaria da Câmara Municipal. Esse Carnaval não oficial acontece todos os anos e nunca teve violência”, lembrou. A Polícia Civil ainda não informou se houve registro de ocorrência na delegacia da região.

Últimas de Rio De Janeiro