Menina Micaella é sepultada na Z. Norte

Encontrada morta dentro do apartamento onde morava, criança de 4 anos foi enterrada no Cemitério de Irajá

Por O Dia

Rio - A pequena Micaella Almeida Ramos, de 4 anos, foi sepultada na tarde desta quinta-feira sob forte comoção. Aproximadamente 50 pessoas compareceram ao Cemitério de Irajá, na Zona Norte, para a despedida da menina que foi brutalmente assassinada na última terça, no apartamento onde morava, em Braz de Pina. O pai da criança, Felipe Ramos da Silva, 30, e a madrasta, Joelma Souza da Silva, 43, estão presos acusados da morte.

Cerca de 50 pessoas compareceram na tarde desta quinta-feira no Cemitério de Irajá para o sepultamento da pequena Micaella%2C de 4 anosErnesto Carriço / Agência O Dia

A mãe da menina, Marcele de Almeida, estava muito abalada e não conseguiu conversar com a imprensa. O corpo de Micaella chegou por volta das 15h40 ao cemitério e seria sepultado direto. Porém, familiares pediram para fazer um rápido velório, quando o caixão foi aberto. Minutos depois, durante o enterro, rezaram um Pai Nosso e pediram Justiça.

LEIA MAIS

Laudo aponta 25 lesões no corpo da pequena Micaella

Filho de acusada de matar menina mostra casa onde ela morreu

'Ela é um monstro', diz filho de mulher acusada de matar enteada de 4 anos

No entanto, antes do sepultamento, o clima ficou tenso. Surgiram boatos de que vizinhos teriam vindo ao cemitério para tentar agredir a mãe da menina, além de parentes do pai. Uma viatura da Polícia Militar esteve no local para garantir a segurança das pessoas. Muito abalado, Wellington Souza da Silva, 25, filho de Joelma, lembrou que havia denunciado as agressões que Micaella sofria em casa.

Marcele de Almeida%2C mãe de Micaella%2C estava muito abalada durante o sepultamento da filha que foi encontrada morta na última terça-feiraErnesto Carriço / Agência O Dia

"A Justiça tem que ser feita. Era uma criança, uma vida. Já fiz uma denúncia anônima com um amigo na polícia e no Conselho Tutelar. Porém, o conselho me informou que tinha que ter pelo menos dez ligações para entrar no caso. Na creche onde ela estudava, a diretoria chamou o Felipe para explicar as agressões. Já entrei em briga corporal com a minha mãe por conta da garota. Uma vez ela jogou as minhas roupas pela janela e me expulsou de casa", diz.

Menina era queimada com cigarro, dizem vizinhos

Presentes no sepultamento, vizinhos falaram sobre os maus-tratos sofridos pela pequena Micaella. Segundo alguns relatos, Joelma tinha o hábito de queimar com cigarros os braços da menina. "É muita indignação. Era um doce de criança. A gente tinha medo de denunciar aquele monstro (Joelma), pois quando íamos falar com ela e cobrar explicações porque a garota vivia machucada, ela vinha de forma agressiva. Era uma pessoa violenta", diz a doméstica Verônica Machado, de 38 anos, revelando que o Felipe também era agredido pela Joelma.

Micaella foi encontrada morta dentro de casa em Braz de Pina. Pai e a madrasta estão presos acusados do crimeReprodução Facebook

"O pai não impedia as agressões, porque tinha medo da mulher e apanhava também. Ela falava: 'a filha é minha, não tem que se meter'. Todo fim de semana a menina aparecia com hematomas", finaliza.

Segundo o laudo cadavérico emitido pelo Instituto Médico Legal (IML), foram ao menos 25 lesões. A maior delas, na cabeça, media 6,5 cm. O documento aponta que a criança pode ter sofrido traumatismo craniano e edema encefálico. Felipe e Joelma estão em celas isoladas no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu.

Para o juiz Paulo Mello Feijó, da Vara do Plantão Judicial da Capital, são suficientes os indícios que comprovam a autoria do crime cometido pelo casal. O magistrado usou como base em sua decisão depoimentos do filho de Joelma, Wellington — que vivia com a mãe, o padrasto e Micaela —, de vizinhos da família e dos policiais militares que encontraram o corpo da menina.

“Wellington relatou que sua genitora agredia constantemente a criança, sempre com a permissão e até na presença do genitor desta”, ressaltou o juiz.

Joelma e Felipe respondem por homicídio qualificado e fraude processual, por ter alterado a cena do crime.

Últimas de Rio De Janeiro