Fernando Scarpa: Eficiência em vez de corrupção

Supremo segue moroso, não é Moro nas ações. De capa preta na poltrona, aguardam os acontecimentos

Por O Dia

Rio - Estamos esgotados da luta com o STF, onde jaz o corpo do ex-presidente preservado por seu ‘legista’, que espera o desfecho dos acordos de delação para liberar o ‘cadáver’ do Lula ao juiz Moro ou à Casa Civil. A expectativa da volta de Vana ao Planalto traz uma nostalgia da lama por parte do baixo clero e de alguns favorecidos com o PT. Até os petistas admitem que não é viável a volta. A personalidade ‘venezuelana’ de Vana é inábil para a democracia, embora, em política, como a nossa, tudo seja possível.

O Supremo segue moroso, não é Moro nas ações... Seguram o processo, sentam nele, a cadeira molda a bunda e os autos. De capa preta na poltrona, aguardam os acontecimentos, só se pronunciam com interesse político no caso e, nesse caso, não é o caso. Teori é do Lula, se pertencem, devem um ao outro. Teori deve a Lula o assento, retribui a gentileza da bunda modelada com a liberdade provisória ao Pixuleco! Não adianta perguntar ao ministro, ele não vai responder, ele tem poder. É bom lembrar que acima do STF só o povo na rua pode receber a resposta antes que a bunda decida.

Tudo que hoje em dia é vazado vem seguido da conversa fiada de que são invenções e mentiras. As gravações irrefutáveis são refutadas, tudo é descredenciado. Tudo que se escuta, nas entrelinhas, deixa rastro de verdade e coerência irrefutável sobre maracutaias, rombos e desvios do dinheiro, não há dúvida. Mesmo diante da evidência dos fatos, negar até o fim virou a estratégia rota desses tempos.

Fica o desafio: quem vai afundar a nação de vez por conta da disputa política pelo comando do suposto dinheiro público, objetivo verdadeiro oculto no desejo de poder? Precisamos de gestão competente, não de gestão incompetente de políticos em cargos satisfazendo pressão de partidos. Meritocracia no lugar de corrupção, nova era de eficiência.

Um novo tempo além desse medíocre cotidiano em que se discute se será Vana ou Temer! Não há o que temer, nada será como antes, rompeu, quebrou a cadeia viciada do modo de se fazer política e se esconder o malfeito. O povo tem voz, redescobriu seu poder, governa junto, baliza decisões, faz reconhecer e valer sua existência como voz do desejo que sabe o que é e quem é bom para o desenvolvimento da nação! Não dá mais para enganar.

?Fernando Scarpa é psicanalista

Últimas de Opinião